sexta-feira, 20 de maio de 2016

RESSURREIÇÃO IX - MA ANANDA MOYI - MAIO DE 2016

Rendo Graças ao autor desta imagem





MA ANANDA MOYI
MAIO DE 2016




RESSURREIÇÃO IX


Eu sou Ma Ananda Moyi.

Caras irmãs e irmãos, acolhamo-nos, mutuamente, primeiramente, no coração do Único.

… Silêncio…

Minha presença entre vocês faz-se, hoje, como Estrela AL.
Eu venho, de algum modo, concluir o que eu lhes comuniquei durante todos esses anos e, mais especificamente, o que eu havia dito concernente à reversão da alma, às diferenças essenciais entre o fogo vital e o Fogo vibral.
Hoje, eu vou contextualizar isso na fusão e na Alquimia final desses dois fogos, que desembocam no Fogo do Espírito e no batismo do Espírito, para dar-lhes referências que lhes permitirão situar-se no que vocês vivem, neste período, e no que se desenrolará nos tempos que vêm.

O Fogo Ígneo, quer a alma esteja dissolvida ou não, dá-lhes novas percepções.
Essas novas percepções não são ligadas às comunicações, às relações e aos diferentes mecanismos de consciência que lhes foram desenvolvidos pelo Arcanjo Anael.
Hoje, eu venho dar-lhes referências, em sua vivência das mais comuns, do que se desenrola em vocês e desenrolar-se-á quando o Espírito desperta e revela-se, inteiramente.
Existem, de fato, diversas manifestações que não são mais, unicamente, êxtases, mas as próprias modificações de sua consciência encarnada e limitada, que se abre não mais, unicamente, à Existência e à nova consciência, ou supraconsciência, mas, bem mais, à realidade do que vocês podem perceber, ver ou sentir quando o batismo do Espírito e sua Ressurreição revelam-se a vocês.

Como vocês sabem, viver o Si, a Unidade, dá-lhes acesso a mecanismos específicos de sua consciência, quer seja de comunhões, de fusões, de dissoluções.
Percepções, também, novas, surgem, como o explicaram, há anos, minhas irmãs Estrelas e, também, alguns Anciões, concernentes à capacidade nova para ver e perceber, e para trocar, por exemplo, com os povos da natureza ou, ainda, conosco, através de seu Canal Mariano.
Hoje, as coisas são um pouquinho diferentes, mesmo se esses elementos anteriores possam aparecer para vocês pela primeira vez, ou reforçar-se.
Sobrepõe-se a isso certo número de elementos bem distintos e bem identificáveis.

O que eu vou dizer, hoje, inscreve-se no que lhes comunicaram os Arcanjos, os Anciões, já, porque o que será identificável não depende mais, unicamente, de mecanismos de comunhão ou de fusão, ou de expansão de sua consciência.
Eu diria que é, bem mais, uma espécie de concentração de sua consciência, que não parece, é claro, contrair-se, mas, ao invés de expandir-se, vai dar o sentimento de estar localizada, cada vez mais finamente, e aproxima-se do sentimento de tornar-se apenas um ponto no qual não existe qualquer pessoa, qualquer manifestação.
O que eu vou desvendar-lhes está, portanto, em ligação direta com a manifestação da Morada de Paz Suprema, não mais, unicamente, em seus estados interiores, mas, também, de maneira visível e exterior a vocês.

Isso não quer dizer, contudo, que haja, ainda, um exterior e um interior, mas há, sim, a fusão dessas duas polaridades, o que abole, também, as separações entre o que vocês nomeiam interior e exterior que se manifestam a vocês.
Isso vai traduzir-se por uma capacidade, independentemente de qualquer vontade de sua pessoa e de qualquer desejo, pela irrupção da própria natureza do Amor em seus campos de consciência.
Isso não passa por um chacra, isso não passa por circuitos do corpo de Existência, mas toca, de maneira a mais íntima e a mais exata, a totalidade de sua consciência, em seus diferentes fragmentos como em sua unidade.
Vocês vão descobrir, quaisquer que sejam as circunstâncias de seu corpo e do que pode manifestar-se, ainda, ao nível de sua vida quotidiana e comum, essa irrupção de algo de novo, que é marcado, antes de tudo, por um sentimento de estabilidade.
A rocha, como diziam os Anciões.

De fato, quando o Coração do Coração entra em manifestação, em atualização, vocês vão observar certo número de modificações não, unicamente, fisiológicas, como já é o caso, mas nos próprios mecanismos de funcionamento de sua consciência.
Isso não concerne, unicamente, aos episódios de desaparecimento, como vocês podem vivê-los, mas isso concerne, diretamente, eu diria, ao seu modo de ver as coisas.
Seu ponto de vista estabiliza-se não mais na pessoa, mas no Coração do Coração, o que lhes dá a viver as coisas de maneira diferente, e, isso, qualquer que seja o desenrolar do que acontece em sua vida.
É como se sua consciência não pudesse mais ser desestabilizada, não pudesse mais ser afetada pelas circunstâncias exteriores, quaisquer que sejam.
Quer isso concirna tanto ao sofrimento do corpo como às interrogações ao nível de seu mental ou de suas emoções.

Lembrem-se: isso não é, unicamente, um êxtase, uma vez que se manifesta independentemente, eu diria, de sua interioridade.
Isso traduz, muito exatamente, o desaparecimento das fronteiras e dos limites entre o ser interior e sua vida nesse mundo.
Isso é, também, ligado, diretamente, às primícias da Ressurreição, qualquer que seja seu ponto de vista anterior.
Então, isso se produzirá abruptamente, em circunstâncias, quaisquer que sejam.
Em momentos, frequentemente, inesperados, vocês vão constatar que algo se abre e rasga-se em vocês, o que lhes dá a ver bem mais do que os olhos percebem, bem mais do que minha irmã No Eyes havia chamado a Visão do Coração.
É em seu próprio mundo, nesta época específica, que se abre a vocês não a percepção das outras dimensões, o que já é feito para inúmeros de vocês, mas a percepção direta do que sustenta esse mundo, ou seja, o acesso às forças cristalizantes das formas, às energias que agenciam e coordenam tudo o que lhes aparece, desde a pedra até o animal, o vegetal, você mesmo, mas, também, as interações que se produzem entre os diferentes reinos da natureza, entre os diferentes irmãos e irmãs.
Eu o repito, ainda uma vez, independentemente do sentimento de comunhão, de fusão, de dissolução ou de desaparecimento.

Abruptamente, portanto, produzir-se-ão mecanismos nos quais vocês vão ver por trás das aparências.
Essa clareza nova, essa precisão nova, concerne tanto aos seus mecanismos e suas engrenagens íntimas como a todos os mecanismos de relações e do agenciamento de formas nesse mundo.
Há, nesse nível, uma forma de aprendizado do que se desenrolará de modo concomitante ao Apelo de Maria ou, em todo caso, logo depois.
Nada mais lhes será escondido, e essa será, efetivamente, sua realidade vivida, vocês verão o agenciamento das formas além da forma, vocês verão as forças vitais, livres como confinadas, em ação.
Isso pode traduzir-se ou pela Luz branca, em um primeiro tempo, ou por um sentimento de Luz negra, que nada tem a ver com a sombra, que nada tem a ver com as forças opostas à Luz, mas que é, efetivamente, o reservatório da Luz.
Vocês terão acesso aos grandes arquétipos, não imaginados, não supostos, não vividos quando vocês estão interiorizados, mas, diretamente, no exterior.

Assim é como se você vivesse uma forma de esclarecimento.
Sua consciência vai aceder, então, à visão do que sustenta as formas, à visão do que sustenta as relações.
Isso pode produzir-se, também, de olhos abertos, na alquimia de seu cérebro, o que pode traduzir-se, por exemplo, pela percepção de cores ligadas, diretamente, ao mesmo tempo, às suas emoções, às suas relações ou a cada circunstância de sua vida.
Eu posso dizer assim, de modo muito simples, que a decodificação de seu cérebro far-se-á por outras vias, nas quais não haverá mais necessidade de percepções energéticas, mesmo se elas existam, mas passará pela consciência direta, que lhes dá a ver a cor do Amor, a cor da predação, tanto em vocês como em seu exterior, e isso, de maneira totalmente natural.
Então, é claro, esse processo não será, de imediato, permanente, mas produzir-se-á, como eu disse, de modo totalmente inesperado, sem qualquer desejo de sua parte.
No máximo, vocês observam que são os instantes nos quais vocês se sentem imersos em uma relação, na natureza, em um contato conosco.

Vocês vão ver revelarem-se as formas de Luz, quer concirna às nossas Presenças na Confederação Intergaláctica dos Mundos Livres, de qualquer origem que nós sejamos.
Vocês vão ver, realmente, a revelação da Luz, ao mesmo tempo em sua cabeça, em seu coração, em seus centros de energia, mas, também, de maneira, simplesmente, visível, de olhos abertos.
Vocês vão ver o que une, religa os seres, as consciências e, também, qualquer tipo de realiança existente nesse nível: os laços de amor, os laços de predação.
Isso será aparente, também, no que eu nomearia suas zonas residuais, portanto, ligadas às reticências, ligadas à própria pessoa.
O mecanismo da cor dará a vocês, é claro, a impressão de algo de muito mais vivo do que as cores que vocês podem ver com os olhos de carne e, no entanto, esse processo concerne, diretamente, ao seu cérebro e, também, à visão, no sentido o mais carnal.

Tudo isso se acompanhará, é claro, de questionamentos, mas, ao mesmo tempo em que esses questionamentos, haverá uma forma de Evidência, de reconhecimento e de sabedoria do que é visto.
Porque vocês saberão, de maneira indubitável, que essa é a verdade.
Vocês terão acesso ao fato de ver a Vida, de ver o Amor, não como um conceito, não como uma energia, não como uma vibração, não como a tradução, por exemplo, de sua Coroa cardíaca ascensional, mas, bem mais, diretamente, o acesso de sua consciência, como eu disse, ao que sustenta os mundos.
Isso lhes preenche o coração de gratidão e deixa-os em um estado de paz específico, que não é o êxtase, mas cuja melhor expressão que eu posso empregar é, simplesmente, dar essa estabilidade, essa permanência da consciência, mesmo em processos que, como eu lhes disse, serão intermitentes.
Isso anuncia sua Ressurreição, o que lhe dá a ver, em si mesmo como em cada um, além de toda ideia, de todo julgamento, a realidade que sustenta esse mundo, como de qualquer mundo.

Se existe, em você, uma percepção de sons da alma e do Espírito, então, você constatará uma modificação dos sons percebidos, que vão, mesmo, até ouvir não músicas, mas frequências que eu qualificaria de não habituais.
Lembre-se, esse zunido sobrevém abruptamente, porque é quando dessa surpresa, no momento em que você ali menos espera, que isso se produzirá.
Isso pode, também, é claro, aparecer em seus momentos interiores; quando sua consciência consegue manter-se na Última Presença ou no Si, vão aparecer-lhe diferentes posicionamentos possíveis de sua consciência.
Quer seja no corpo, no corpo de um irmão ou de uma irmã, no corpo de uma vida passada ou de uma vida futura, no corpo de um anjo como na consciência de um vegetal.
Não se trata, unicamente, de uma relação ou de uma comunhão, mas, bem mais, a revelação de mecanismos íntimos da consciência, e isso, em qualquer dimensão que seja, mas vividos aqui, nessa Terra, a partir do instante em que você esteja completamente presente a si mesmo, completamente instalado nesse instante presente.

Pode haver, é claro, percepções vibrais, mas, o mais frequentemente, você constatará, em um primeiro tempo, manifestações não habituais ao nível de seu corpo e da energia.
Isso se traduzirá, como foi dito pelos Anciões, por uma modificação de temperatura corporal, de sintomas que sobrevêm de uma maneira totalmente inesperada, eu diria, em seus corpos, frequentemente, sob a forma de formigamentos, de dores, de picadas ou de coceiras no corpo.
Fique atento, naquele momento, não ao seu corpo que se manifesta, mas às consequências de sua consciência.
É uma ocasião inesperada, neste fim dos tempos, de ver, materialmente, os mecanismos de sua consciência no trabalho.
Você terá acesso, se posso dizer, ao mundo das causas que sustentam esse mundo, que sustentam o Amor, as relações e todas as manifestações sensíveis concernentes tanto à energia habitual como aos planos do supramental.

Mas o mais importante não é tanto a observação do que se desenrolará pelos mecanismos coloridos novos, mas, bem mais, o que você observará, diretamente, na manutenção de sua consciência em um estado novo.
A sobreposição da consciência efêmera e da consciência de Eternidade conduz a isso, o que lhe permite realizar, com facilidade ou dificuldade, seu Face a Face, o sozinho, no momento do Apelo de Maria.
É nesses momentos que sua vigilância, sua atenção e sua observação devem permanecer livres de todo conceito, de toda referência a um passado e de toda projeção em relação ao que é vivido.
Se você quer penetrar, de algum modo, na intimidade a mais exata do que se produzirá, aí também, deixe-se atravessar pelo que se produzirá, sem procurar interpretação, sem procurar reação ou emoção.
Deixe, simplesmente, as coisas virem a você e manifestarem-se e, de algum modo, revelarem-se, porque essas formas de rupturas, de aberturas são, também, uma revelação de sua própria Ressurreição, na qual nada pode ser escondido, na qual tudo é transparente e límpido.

Assim tornar-se-á sua consciência, qualquer que seja sua idade, qualquer que seja sua história, qualquer que seja a pessoa ainda presente ou não.
Você pode apoiar-se nisso, não, eu repito, para projetar ou explicar, mas, ao invés disso, apoiar-se no que representa essa verdade e essa solidez.
O importante não são as explicações, mesmo se, é claro, isso lhe seja explicado, mas isso não é explicado em palavras, em cogitações mentais, mas pela própria evidência do que é visto e do que é percebido.
Isso não concerne mais ao que alguns de vocês haviam podido viver, com mais ou menos intensidade, concernente aos Elementos, ou seja, suas origens estelares, suas linhagens, mas concerne, eu o repito, às coisas as mais simples de sua vida, preferencialmente na natureza, preferencialmente com os irmãos e as irmãs com quem você está em relação.
Essa nova visão, essa nova clareza, essa nova precisão decorrem, diretamente, dessa fase final ligada ao Apelo de Maria.

Você descobrirá, também, se já não foi feito, as alegrias infinitas da humildade e da simplicidade daquele que voltou a tornar-se como uma criança e que se contenta em estar presente no que a vida mostra e demonstra a ele.
Sua pessoa, seus interesses pessoais apagar-se-ão por si só, nesses casos.
Você será totalmente absorvido, não no desaparecimento, mas na realidade do que se produz em seu corpo, como em tudo o que será perceptível ao seu redor.

Lembre-se de que você não tem necessidade de interpretação nem, mesmo, de compreender, mas, simplesmente, de vivê-lo e, aí também, de atravessá-lo e de deixar a consequência estabelecer-se por si mesma, ou seja, encontrar uma nova forma de estabilidade, uma nova forma de profundeza, uma nova forma de Leveza que o fará depender, cada vez menos, das circunstâncias de sua pessoa, das circunstâncias de suas relações, de seu ambiente.
É assim que se prepara esse Face a Face e esse sozinho do Apelo de Maria.

Você constatará, também, uma distância, eu penso, cada vez maior, entre as manifestações do efêmero, quer sejam suas crenças, seus pensamentos, suas emoções e a realidade e a estabilidade do que você é, o que lhe permite não estabelecer uma distância maior, mas ver a diferença que pode existir entre a Luz Una autêntica e aquela que depende dos condicionamentos, do confinamento ou que está, ainda, alterada pelas forças adversas à Verdade.
Você observará, também, que haverá uma forma de indulgência e de perdão, vis-à-vis de si mesmo, vis-à-vis de não importa qual pessoa ou de não importa qual situação na superfície desse mundo, que você tenha a viver.
Você ganhará, portanto, em paz, não a paz interior de momentos precisos, nos quais você vive seu desaparecimento, mas, eu diria, uma paz ativa em seu funcionamento.
É assim que você se beneficiará, de maneira cada vez mais visível, da Inteligência da Luz, do estado de Graça, da realidade disso e de sua nova realidade que está a instalar-se, para cada um de vocês.

Retenham isso, isso lhe permitirá localizar e aquiescer, aí também, ao que se desenrolará.
Aliás, você não terá a ocasião, se posso dizer, de fazer trabalhar demasiado suas ideias, seus pensamentos, suas projeções ou suas memórias, porque, nesses momentos, sua consciência sabe, e sua pessoa sabe que o que é vivido é a verdade, sem qualquer dúvida possível e sem qualquer projeção.
É nisso que você vai viver a Ressurreição e isso, de maneira anterior ao Apelo de Maria, e isso se desenrola durante esse mês de maio, belo mês de maio, como havia chamado aquele, o Comandante dos Anciões.

A sobreposição do efêmero e do Eterno favorece a dissolução dos últimos véus, como isso se produz em seu planeta, onde você está, os pés sobre a terra.
Não haverá mais obstáculos, não haverá mais véus.
Será vista a estrita verdade, ainda uma vez, percebida por seus olhos, mas, também, em seu cérebro e em seu coração, em sua consciência, diretamente.
Naquele momento, você constatará que a Luz emana de você sem qualquer vontade da pessoa, sem qualquer vontade da alma, é, simplesmente, a revelação do Espírito de Verdade, do Espírito do Sol.
O Coração dos Anjos cantará em seus ouvidos.

Sua pele tornar-se-á mais sensível, ou insensível, segundo os segmentos do corpo.
Você perceberá, real e concretamente, seus próprios órgãos, mesmo aqueles que não se manifestem habitualmente, porque eles não são enervados, enquanto funcionam corretamente.
Você terá acesso, eu diria, à nota fundamental e à cor fundamental que prefigura a forma, e em toda relação, e não deixa qualquer dúvida sobre a realidade do que é percebido, porque sua própria consciência, ao vivê-lo, poderá apenas aquiescer a essa verdade que passa de todo filtro mental, de toda referência a uma história e de toda projeção em um futuro, o que reforça, com isso, sua instalação na Infinita Presença e na Última Presença.

Lembre-se de que nada há a fazer para isso, há apenas a viver, porque isso se produzirá no momento em que você ali não espere, no momento em que você não o tema, no momento em que você está totalmente livre.
É nessa Liberdade, e nessa vacuidade, que não é o desaparecimento, mas a Infinita Presença, que tudo isso se revelará à sua consciência.
Isso não poderá estar sujeito à interpretação ou a tergiversações, isso não poderá levá-lo a lugar algum que não ao instante presente, sobretudo, não a uma explicação e, sobretudo, não à necessidade de desligar-se do conhecido.
Assim se desvenda o desconhecido durante este mês.

Do mesmo modo, como você o constata no conjunto da Terra, existe uma forma de despertar, se posso dizer, mas inapropriado, ou seja, considera uma solução de continuidade nesse mundo, o que dá uma sede de liberdade, uma necessidade de igualdade, uma necessidade de caridade, uma necessidade de humanidade, mesmo.
Não se ocupe das diferentes formas que isso possa tomar, porque você respeitará, assim, a liberdade de cada um para viver o que é devido a ele, neste período de Liberação.
E cada um, você sabe, tem um ponto de vista diferente.
Aquele que dorme traduzirá isso ao nível de suas aspirações, quer elas sejam sociais, políticas, familiares, ambientais.
É claro, para você, é outra oitava, mas a finalidade é, exatamente, a mesma, então, não julgue.
Contente-se, aí também, em deixar-se atravessar, acolher e viver, plenamente, esse instante presente e essa Graça nova.

Esse estado de Graça entra, portanto, ele também, em atualização no plano físico, o que lhe dá acesso, de maneira direta, a todos os planos sutis, quer você nomeie isso o corpo etéreo, o corpo astral, o corpo mental e o corpo causal.
E, além do corpo causal, é claro, para aqueles que liberaram a alma, o acesso a um contentamento cada vez maior, uma certeza interior que nada tem a ver com a certeza da pessoa, mas, bem mais, um estado de paz comparável a nenhum outro, e a nenhuma satisfação desse mundo, nem, mesmo, a uma satisfação espiritual, tal como você pode experimentar quando de alguns contatos conosco, com os povos da natureza ou entre vocês.

Nesse estado de acuidade de despertar, de acuidade de liberação, tudo lhe parecerá, interior e intimamente, cada vez mais evidente.
Não se esqueça de que é o que você reencontra, que jamais desapareceu.
A partir do instante em que esse último véu levantar-se por intermitência, naquele momento, você estará em via de Liberação, qualquer que seja seu estado de ponto de vista, de suas vibrações ou de sua consciência anterior.
A Graça e a espontaneidade animarão você, não no êxtase, mas animarão você no espetáculo da vida, do Amor e da Inteligência da Luz, em qualquer circunstancia que seja.

Esse não é meu domínio, mas, agora e já, eu posso dizer que há, como vocês chamam isso..., novas vias neurais que se criam, mesmo nesse corpo efêmero.
O conjunto de seus chacras, no plano etéreo, sem, mesmo, falar do corpo de Existência, torna-se permeável a essas informações que lhes eram escondidas.
Essa não é a finalidade, mas concorre para estabelecê-los na paz do Apelo de Maria e na vivência do Juramento e da Promessa, com uma alegria perfeita, que não sofre qualquer discussão, qualquer interrogação, qualquer questão.

Vocês o observarão, também, independentemente desses momentos inesperados e de improviso, em sua vida quotidiana.
Vocês observarão não uma passividade, mas, bem mais, um desapego real e concreto do que podia mantê-los no coração, até agora, e concernente à sua pessoa.
Vocês encontrarão, cada vez mais, momentos de intimidade consigo mesmos, não, necessariamente, ao meditar, mas ao praticar atividades na natureza.
Haverá uma sede de simplicidade cada vez maior, que contrasta com o personagem que vocês eram, talvez, ainda na véspera.
O que os obstruía, quer fossem os medos, as reticências, vão esvanecer-se por si mesmos por essa nova clareza e essa nova visão.
A precisão será tal, que vocês não terão necessidade da análise mental nem, mesmo, de encontrar uma causa, porque ela se situa além de toda causa.
É a irrupção do Espírito, a revelação do Espírito, a manifestação do Fogo Ígneo e de sua supraconsciência.

Não se esqueçam de que vocês têm, ainda, um corpo e que ele é o suporte dessa manifestação.
É o que ocasiona, aliás, modificações importantes, como foi explicado, de suas fisiologias, quer elas sejam ao nível dos alimentos, ao nível do sono e, mesmo, ao nível da qualidade de suas relações de irmão a irmão, de alma a alma.
A espontaneidade, como foi explicado, a simplicidade, a transparência do masculino sagrado tornar-se-ão ativas.
Vocês se surpreenderão, também, por vezes, a empregar outras palavras que não aquelas que vocês empregam habitualmente.
Não é, ainda, o «falar em línguas» ou o Verbo, mas aproxima-se disso.
Vocês encontrarão, facilmente, em face de algumas situações, em face de algumas relações, as palavras exatas, sem ter que procurá-las em sua cabeça, sem ter que construí-las porque, aí também, essa será a manifestação da Inteligência da Luz, os mecanismos de sincronia, de Fluidez da Unidade, mas de modo cada vez mais convincente e evidente.

Tudo isso se desenrola em um tempo extremamente curto.
É claro, alguns de vocês já viveram isso, há algum tempo, mas, mesmo para eles, a intensidade disso será decuplicada, o que os força, se posso dizer, à Evidência dessa Inteligência, que não depende, de modo algum, de sua pessoa nem, mesmo, de seu corpo de Existência, mas, simplesmente, da revelação da vida e do Amor, devido ao próprio fato do que se desenrola sobre a Terra, desde 2012.
O que era invisível torna-se visível, mesmo para aqueles de vocês que jamais viveram isso.
Então, é claro, pode haver, para alguns de nossos irmãos e irmãs encarnados, uma dificuldade para apropriar-se, no sentido de transparência, do que vai desenrolar-se, o que pode dar reações não de paz, em um primeiro tempo, mas de estupor e de estupefação.
Não se inquietem.
O aprendizado, como eu o disse, far-se-á com extrema rapidez, e virá substituir a realidade ilusória de sua pessoa e desse mundo, sem qualquer dificuldade.

É claro, o Amor crescerá, quer seja em seus olhos, em suas vibrações, em seus gestos.
Vocês não poderão mais refrear alguns comportamentos que são, diretamente, oriundos não de sua história, mas da instalação do Amor.
Um pouco à imagem do que nós havíamos contado, minhas irmãs e eu, concernente ao nosso caminho e nossa encarnação.
Os milagres, também, aparecerão em grande número.
Não entendam o milagre como uma cura, mas, bem mais, como uma transmutação alquímica de alguns elementos de sua vida, que se produzirão, aí também, independentemente de sua vontade.
A Inteligência da Luz conduzirá vocês para onde ela deve conduzi-los.
Mesmo em eventos desconcertantes ou dolorosos, vocês verão o que está por trás disso, suprimindo, então, de fato, as interrogações, as dúvidas ou os questionamentos.

A Luz tornar-se-á, de qualquer modo, cada vez mais palpável, do mesmo modo que vocês constatam, a cada vez que nós nos reencontramos, uns e os outros, uma intensificação da presença da Luz, que se torna palpável e física.
A Luz não está mais em outros lugares, ela não está mais, unicamente, em seu coração, ela está por toda a parte.
A acumulação das partículas adamantinas sobre a Terra e a aproximação do que se desenrola no céu e sobre a Terra permite-lhes tocar essa Evidência e vivê-la.
Estejam disponíveis para isso porque, de todo modo, como para seus desaparecimentos, vocês não poderão escapar disso, e eu duvido muito que vocês queiram escapar, tanto a felicidade será grande, o maravilhamento ou o estupor serão tão magnificados pela beleza que, em momento algum, eu penso, vocês terão vontade de subtrair-se disso, bem ao contrário.
Mas lembrem-se, também, de que sua pessoa não pode desencadeá-los à vontade.
Essa noção de improviso e de inesperado é absolutamente capital na inicialização do processo.

Muito rapidamente, se vocês aquiescem a isso, constatarão que esses momentos reproduzir-se-ão em intervalos cada vez mais curtos, e por durações cada vez mais longas, que deveriam conduzir, se posso dizer, nas primícias do Apelo de Maria, no aparecimento das Trombetas, a uma quase estabilidade, para inúmeros de vocês, dessa percepção da verdadeira Vida.
É nisso que vocês constatarão, também, que seu melhor lugar não é o de querer ajudar, sendo uma pessoa, outra pessoa, mas pôr-se à disposição da Luz em toda circunstância, e ver, realmente, que não são, jamais, vocês que agem, mas que é a Luz que age através de vocês.
Aí está a única retidão da Luz, a única verdade da Luz Una, não alterada e não falsificada, que lhes permite, assim, desbloquear e liberar os últimos engramas de apego, os últimos engramas de predação ou de medo.
Isso os preparará, de maneira ativa, ao seu destino, onde quer que ele se situe, nesse mundo ou alhures.

A tranquilidade, independentemente da paz, tornar-se-á cada vez mais evidente.
Quer seja a tranquilidade de seu próprio mental, a tranquilidade de suas próprias emoções e a tranquilidade, mesmo, de alguns incômodos de seu corpo, dores ou doenças de seu corpo.
Você estará plenamente presente nesse corpo, mas, ao mesmo tempo, desvinculado das circunstâncias efêmeras desse mundo, de sua pessoa.
Naquele momento, quer você tenha vivido a realização do Si, quer seja liberado vivo ou nada viva, nada mudará, porque você terá acesso à Verdade e descobrirá o que é a verdadeira Vida.
Seu olhar será transformado, a emanação de Luz far-se-á através de você, sem qualquer vontade e sem ser dirigida para qualquer um ou para uma situação precisa.
Essa Luz não tem necessidade de você para dirigi-la, ela irá para onde ela deve ir, sem esforço, sem atenção, mesmo, e sem observação.

É claro, seus campos de energia, seus campos de consciência, quer seja ao nível dos envelopes sutis como ao nível do corpo de Existência, poderão ocasionar, também, reações ao seu redor, porque essa Luz será percebida, mesmo se ela não seja vista nem compreendida; seu campo de energia, suas auras, se quiser, tornar-se-ão percucientes.
Você perceberá, portanto, real e concretamente, não mais, unicamente, as forças etéreas, a sensação energética vital, mas você perceberá, diretamente, sua consciência, que se situa, também, nos diferentes corpos sutis como no corpo de Existência.
Você terá acesso à constituição de seu corpo mental, de seu corpo causal, se eles existem ainda.
Você terá acesso aos mecanismos íntimos de seus pensamentos e constatarão, então, como foi dito por inúmeros de nós, que seus pensamentos não são seus pensamentos.
Eles se formam apenas como uma interação entre seu meio interior e o ambiente, eles não lhe pertencem.
Mas isso não será mais uma crença ou um conceito ao qual você adere, mas você verá, realmente, isso no trabalho.

Tudo isso já está ativo, atualiza-se, completamente.
Você não poderá mais ser enganado por qualquer trapaça, qualquer artifício que venha de você como do exterior, você verá, realmente, o que está por trás e organiza tudo o que lhe é perceptível.
É assim que a Eternidade instala-se, antes, mesmo, do Apelo de Maria ou antes, mesmo, do elemento final desse mundo.
É aqui que você extrairá a força.
Nós lhes temos dito, aliás, que estávamos no interior de vocês, mas que, durante o Apelo de Maria, nada mais haverá do que a Vida e o Amor.
Não haverá mais pessoas, não haverá mais mundo, não haverá qualquer referência, se não é a referência do Absoluto, a referência da Inteligência da Vida e do Amor.
É assim que você se torna, inteiramente, o que você é, ou seja, Amor, Liberdade e Verdade, assim como beleza.

É claro, existirão outras percepções concernentes ao corpo de Existência em manifestação, mas no qual não é útil apoiar-se ou desenvolver, porque as coisas, como eu disse, far-se-ão de maneira totalmente espontânea.
E não é conhecimento desses processos que realizará esse processo, mas, sim, a evidência da vivência dele.
Tudo o que eu posso dizer, por exemplo, é que você sente o conjunto de suas Portas, de suas Estrelas, que são mais ou menos manifestadas.
A partir do instante em que o conjunto dessas Portas, dessas Estrelas for manifestado ao mesmo tempo, então, o corpo de Existência está em pleno potencial de manifestação, aqui mesmo, nesse mundo.

Isso lhe dará mais alegria ainda.
A paz o tornará indiferente e não insensível, mas indiferente à sua pessoa, o que o abre à liberdade do Amor, à irradiação do Amor, independentemente de qualquer circunstância, independentemente de qualquer vontade.
É assim que, por sua vez, vocês não serão os liberadores de mundos, mas serão os seres liberados vivos, o que permite saciar seus irmãos, suas irmãs, mesmo fora de seu olhar ou de seu ambiente, onde quer que eles estejam no planeta.

Foi assim que nós, Estrelas, agimos em nossa vida.
Quer seja em nosso ambiente próximo, é claro, e, também e, sobretudo, no conjunto do planeta.
Nós permitimos, portanto, umas e as outras, uns e os outros, em nossas encarnações, manter, de algum modo, esse fio diretor para a Eternidade, e isso era bem mais importante, por exemplo, para mim, do que mostrar-me em êxtase.
O verdadeiro trabalho estava ali, ele não estava nos discursos ou nas palavras que eu pronunciava, mas em meu estado de ser absoluto manifestado ao mundo.
Eu nada tinha a mostrar, nem a dizer, isso se fazia independentemente de mim.
Isso vocês vão descobrir, e é aí que se situam o milagre e a Graça.
É aí que vocês se tornarão essa rocha indestrutível que reencontra sua eternidade.

Então, é-me pedido, hoje, para permanecer, também, entre vocês, para escutar suas eventuais questões concernentes ao que eu descrevi, bem além, é claro, de sua pessoa, mesmo se isso lhes concirna.

Então, se vocês têm questões, nós os escutamos juntos.

Questão: você poderia dar explicações sobre a percepção do Fogo Ígneo em nosso corpo?

A percepção do Fogo Ígneo traduz-se por fenômenos que eu qualificaria de fulgurantes em seu corpo, que aparecem e que desaparecem assim, sem razão.
Quer seja uma dor, quer seja uma percepção de seu próprio corpo, de sua posição no espaço e no tempo, mas, também, de sua própria memória que, como você constata, pode, por vezes, faltar.
Há uma perda da linearidade do tempo, que lhe faz obscurecer, por exemplo, o que você estava fazendo.

O Fogo Ígneo vai dar percepções das Portas, como eu disse, mas, sobretudo, de fenômenos abruptos, que se manifestam de diferentes modos, quer seja por formigamentos, vibrações, uma circulação de energia, mas algo que aparece e que desaparece muito rapidamente, que não se instala.
Pelo menos enquanto não haja reticência, enquanto não haja, pela Inteligência da Luz e o Fogo Ígneo, uma cura em curso em uma parte de seu corpo ou de sua consciência.

A primeira das manifestações é, certamente, uma regulagem térmica profundamente diferente: os mecanismos de calor e de frio tornam-se sucessivos e não têm relação com qualquer temperatura exterior.
Pode haver um fogo interior, pode haver um frio interior, mas, tanto em um caso como no outro, isso é muito súbito, chega e desaparece sem qualquer razão.
A percepção de seu próprio corpo: seu cérebro pensa, por exemplo, que seu pé está em tal lugar, você olha e o pé ou a mão não está no lugar que você pensava.
Você não percebe mais, pelos sentidos cutâneos, exatamente o que você percebia anteriormente: a textura dos objetos, a textura dos alimentos, a sensação térmica de seu sentido cutâneo torna-se diferente.
Isso pode interperá-lo de maneira muito fácil, porque é habitual para você.
Você vai perceber o que está por trás, também, mesmo por sua mão, por seu pé e por não importa qual parte de seu corpo, o que está abaixo da aparência.

O Fogo Ígneo, é claro, dá o fogo, mas isso já foi explicado.
Os sons modificam-se nos ouvidos, a própria circulação da energia modifica-se, a própria percepção, para aqueles que as vivem, os mecanismos vibratórios concernentes às diferentes estruturas que você conhece tornam-se diferentes.
Eles se tornam ou mais presentes, até a dor, por exemplo, em uma Porta, em especial nas Portas situadas no mais baixo do corpo, quer sejam as pregas da virilha ou o sacrum.
Você vai constatar, também, que se desenrola, em você, esse mecanismo da consciência precisa, no qual as percepções são modificadas, no qual as cores aparecem e como seu céu fosse rasgado.

Aliás, há um dos Anciões que se exprimiu entre vocês quando do que foi nomeado o masculino sagrado, que lhes deu um sinal específico a fazer e a traçar sobre seu próprio coração, que concorre, é claro, para a ruptura dos últimos véus que lhes mascaravam a Verdade, não interior, uma vez que alguns de vocês estão liberados, mas, ainda, ao nível do que vocês nomeiam, e que nós nomeamos com vocês, o exterior.

Assim é o Fogo Ígneo.
Ele dá a certeza, ele dá a potência, ele dá a Verdade, ele dá a magnificência da Vida e do Amor.
O Amor lhe será visto, isso não será mais, unicamente, um conceito, não será mais, unicamente, uma vivência na intimidade de seu coração, para aqueles que são liberados vivos ou que vivem a Última Presença, mas isso será visível em todo seu redor, o que se traduz, como eu disse, pelo sentimento de não mais ver a mesma coisa, de ter mecanismos coloridos, o mais frequentemente, sem forma, cores que nada têm a ver com as cores que vocês veem com os olhos.

Tudo isso lhes dará uma coloração muito nítida, na qual vocês não terão mais necessidade de passar pela análise sensorial ou a análise mental.
Por exemplo, o que é harmonioso, o que é amor manifestar-se-á, o mais frequentemente, sob formas de cor pastel, muito claras, como o rosa ou qualquer outra cor, mas em tonalidades muito purificadas, se posso dizer.
Enquanto o que é pesado, o que é oposto à Inteligência da Luz, quer venha de vocês ou de outros lugares, aparecer-lhes-á sob cores sombrias, que lhes aparecem mal iluminadas, cores que eu qualificaria, como vocês verão, de densas, de compactas, que nada deixam atravessar.

Isso poderá fazer-se, também, para partes de seu corpo, como se você viajasse, realmente, no interior de seu corpo, em consciência, e pudesse, por exemplo, ver a cor de uma artrose, se você tivesse uma em um determinado lugar, a cor de seu fígado, a cor de seus pensamentos.
Cada pensamento, cada nota de música tornar-se-á a Evidência para você.
Por sua cor, por sua coloração, por sua iluminação.
Tanto de maneira visível exterior como de maneira cerebral ou mais intuitiva.
Lembre-se de que é natural.
Não há necessidade de aprendizado muito longo, uma vez que isso não concerne a um conhecimento a adquirir, mas, sim, um natural que volta.

Vocês têm outras questões?

Questão: você poderia explicar o «falar em línguas»?
É a mesma experiência vivida na torre de Babel?

Bem amada, isso é possível em duas circunstâncias.
Tanto ao nível do que eu nomearia, com vocês, o astral, ou seja, a ilusão, na qual há uma forma de exaltação em que a consciência não está, absolutamente, estabilizada, mas pode haver, também, um falar em língua que é ligado a essa estabilidade, como a rocha de sua supraconsciência em manifestação.
A diferença é essencial, é que o falar em línguas é um falar que eu qualificaria de vibral, cuja incidência é exata e nada tem a ver com uma linguagem estruturada, nem uma língua antiga, aliás.
Não se trata, por exemplo, do sumério original ou de língua como o aramaico.
Esse falar em língua é, simplesmente, uma emissão de frequências, um pouco como notas de música, nas quais o único sentido não é compreendido pelo mental, nem pelo intelecto, nem pela razão, mas, diretamente, pelo coração.

O falar em línguas é apenas uma das manifestações possíveis, tanto da ilusão, ou seja, da luz alterada, como da verdadeira Luz.
A única discriminação possível é, justamente, o estado da consciência daquele que o vive.
No falar em línguas ligado à ilusão Luciferiana, astral, há emoção, há exaltação, há explosão.
No falar em línguas vibral, do Fogo Ígneo, há estabilidade, há permanência e, sobretudo, como você constatará, se isso se produz, há essas cores pastel que são vistas e percebidas.
O coração, obviamente, naquele momento, não permanece insensível a esse falar e você verá o que se desenrola então, também.

Mas nenhum dos processos místicos, tais como você os tenha, talvez, lido ou vivido, é importante.
Isso se desenrola, o mais frequentemente, no silêncio.
O silêncio de sua consciência, de suas emoções, de seu mental, o silêncio da ação, também.
É um maravilhamento, como eu disse, um encantamento, ou um estupor.
Nada há de projetado, nada há que venha da pessoa, e isso se vive, diretamente, naquele momento.
Isso pode produzir-se para cantos espontâneos, isso pode produzir-se, também, ao escutar a música, na qual, aí também, as notas de música lhe serão percebidas não mais como vibrações, mas como uma ação direta de sua consciência sobre ela mesma, pelos fenômenos coloridos específicos.

Você não tem necessidade de manifestações extraordinárias porque, mesmo o que se desenrola, nesse momento, e que vai desenrolar-se, é de uma simplicidade extrema e reforçará, aliás, sua transparência e sua humildade.
Não haverá qualquer reivindicação, qualquer apropriação e, sobretudo, você constatará, como eu disse, sua estabilidade.
Não haverá explosões, nada de exultação.
Não haverá manifestações exageradas, mas, bem mais, uma forma de sabedoria cada vez maior.
Não haverá necessidade de dizê-lo nem de exprimi-lo, quer seja para você, quer seja para uma relação ou para um ambiente.
Isso lhe aparecerá, além do primeiro estupor, como muito natural.
Eu a lembro de que é algo que você reencontra, que é ligado à sua eternidade e à sua vivência nas dimensões unificadas, qualquer que seja sua forma e qualquer que seja a dimensão.
Você verá, de qualquer modo, através da matriz e através da Ilusão desse mundo.

O corolário, também, disso, para você, individualmente, e em sua pessoa, é mostrar-lhe as falhas de seu comportamento, as falhas de suas reticências ou de seus medos.
É mostrar-lhe a verdade nua, que não se obstrui mais com origens estelares ou linhagens estelares, que não se dirige mais para um objetivo, porque, aí, você tocou a Verdade que é o objetivo final, e todos os outros objetivos desenrolam-se por si mesmos, sem qualquer dificuldade.
É claro que isso poderá traduzir-se, também, por uma incompreensão cada vez maior da loucura desse mundo, mas essa incompreensão não desembocará em uma necessidade de retificação ou de modificação.
Você aceitará, através disso, a liberdade de cada um de manifestar o que tem vontade, se ele tem, ainda, vontades – e você o amará desse modo.
Isso poderá parecer-lhe desconcertante, para aqueles que você poderia, ainda, nomear, hoje, de inimigos ou de pessoas que você não frequenta.

É assim que se instalam a Graça e o perdão, e que você libera os últimos laços, as últimas memórias, os últimos entraves à sua liberdade.
É assim que se realiza a alquimia entre o interior e o exterior, que lhe dá a ver que não há nem um nem o outro, há apenas a Vida.
Não há, mesmo, uma pessoa, há apenas uma forma congelada em um corpo carbonado.
Você se conscientizará, real e concretamente, de que você não é – se já não foi feito – essa história, nem essa pessoa, nem, mesmo, qualquer pessoa de uma vida passada, e que você é, efetivamente, real e concretamente, o Amor, e que o mundo está em você, e que você é o mundo.

Vocês têm outras questões?

Questão: por que, quando se evoca o Espírito do Sol, evoca-se, também, o Coro dos Anjos?

Porque, no Espírito do Sol, como em cada sol, há as formas e as consciências ligadas ao que foi chamado o Coro dos Anjos ou, se prefere, os Quatro Vivos, também.
Há, portanto, no Espírito do Sol, a manifestação do Coro dos Anjos e ambos são ligados, se posso dizer, na liberdade de manifestação do Amor.
O Coro dos Anjos é o que o anima no êxtase, o Espírito do Sol é o que lhe dá a retidão da Verdade; ambos são conjuntos.
É por isso, também, que eu falei de modificações de sons, se você percebe esses sons em seus ouvidos, durante esta fase.

A atualização do Verbo também faz parte disso.
Quando eu lhes dizia que as palavras que sairão de vocês não são suas palavras habituais, nem, mesmo, aquelas que vocês teriam pensado, aí, vocês entram no Verbo, o Verbo Criador, manifestado pelo masculino sagrado e a androginia primordial na superfície desse mundo e, também, em seu corpo.

Questão: quando a pele torna-se muito sensível, que aparecem comichões, é a manifestação do Fogo Ígneo?

Minha cara irmã, esse pode ser, efetivamente, o caso, e é, frequentemente, o caso para aqueles de vocês que percebem uma das Coroas.
Por vezes, também – e isso corresponde à percepção cutânea – você vai como que sentir-se apertada nesse corpo, o que dá a impressão de um aumento, não do exterior, mas do interior, em especial ao nível de seu peito, de sua cabeça ou de seu ventre.
Isso participa do mesmo processo da Existência e da Eternidade.

Lembre-se, também, de que, durante este período, seu sangue oxigena-se de maneira diferente.
Ele não passa mais, unicamente, pelos pulmões, mas também, diretamente, através da pele, pelas partículas adamantinas.
Seu sangue é vivificado, o que dá, por vezes, aquecimentos.
É nesse sentido que minha irmã Hildegarde havia preconizado certa poção para refrescar o sangue.
Não é proibido, é claro, consumir produtos, plantas ou outra coisa que esteja em relação com a ação no sangue porque, quanto mais seu sangue estiver fluido e circular, mais lhe será fácil viver esses processos que eu acabo de descrever, ligados à sua Ressurreição.

… Silêncio…

Aliás, se você esteve atento, através de suas leituras, através de suas escutas, através de suas Presenças, você constata, progressivamente, em cada uma de nossas intervenções, que nós estamos cada vez mais densos junto a vocês.
Simplesmente, porque não há mais camadas isolantes.
E, é claro, segundo nós intervimos sós ou acompanhados de um Arcanjo ou do Espírito do Sol e do Coro dos Anjos, a qualidade vibratória que você percebe não é a mesma.
Trata-se, sempre, de Luz verdadeira, mas com intensidades diferentes, oitavas diferentes, aí também, segundo as circunstâncias.
É uma primeira abordagem, que vai além do desaparecimento e que a leva, diretamente, à emergência da Eternidade nesse mundo.

Questão: se os Arcanjos e vocês estão em nosso interior, por que o Arcanjo Anael é obrigado a criar uma coluna de Luz para fazê-los descer?

Bem amado, o fato de descer, como você diz, para o Arcanjo Anael ou para qualquer outra entidade, quando isso lhe concerne, individualmente, como você sabe, a Presença está em você, ela se manifesta pelo Canal Mariano.
Mas, quando vocês são vários, é preciso, efetivamente, que esse Canal Mariano seja reconstituído, indiferentemente do seu, se posso dizer, o que permite a fluidez do estabelecimento das entidades de Luz, independentemente de sua estrutura.
Do mesmo modo que você vai constatar que Presenças de Luz, e não, simplesmente, entidades ou formas que passam em seu ambiente, manifestam-se cada vez mais, independentemente de seu Canal Mariano e independentemente de sua percepção.

E se você tem a oportunidade de observar isso, constatará que, aí também, há um processo extremamente preciso de entrada em manifestação.
A coluna de Luz branca, criada pelo Arcanjo Anael, assim como as esferas de proteção, vêm do mundo supramental, porque criadas por um Arcanjo.
Elas são, portanto, eficientes nesse mundo, contrariamente ao que você pode realizar, você mesmo, se você não utiliza técnicas ou suportes específicos.
É uma coisa viver uma Presença no Canal Mariano, é outra coisa viver a Presença de um Arcanjo ou nossas Presenças em um ambiente no qual vocês são vários.

Questão: por que se fala de beleza, mas, também, de elegância do Absoluto?

E por que não?
Aquele que o vive é tal como nós o exprimimos, uns e os outros.
O que pode haver de mais belo do que a verdade nua, além de toda forma e de toda consciência?
Porque é exatamente, quer seja nos momentos de encantamento, os momentos de êxtase, os momentos de paz, os momentos de desaparecimento, é essa palavra que se forma a mais espontaneamente: perfeição, beleza, Evidência.
É preciso, efetivamente, encontrar palavras para qualificar o que é inqualificável, traduzir, de algum modo, o que é percebido e vivido.
É claro, conforme as culturas, conforme sua origem, outras palavras são possíveis e, se você esteve atento, aliás, constata que, segundo nossas origens em nossa última encarnação, as palavras não são as mesmas.
Elas traduzem, no entanto, a mesma verdade.
Porque essa beleza, justamente, não está inscrita em qualquer efêmero, nem em uma forma, nem em uma consciência.
É o que Bidi nomeava a a-consciência.
Obviamente, isso nada tem a ver com a beleza de uma forma, de um corpo, de uma pintura, de um pôr de Sol, mas é uma beleza absoluta, justamente, porque não há forma definível.
Aí, onde nada pode ser nomeado.

Lembre-se de que o mais importante, neste período, não é mais, tanto, tudo o que você viveu até agora, mas é, efetivamente, a revelação do Último, aqui mesmo, em sua consciência comum.
O que é, efetivamente, muito novo e que não teria podido existir, exceto para alguns seres liberados vivos, anteriormente, enquanto o Fogo Ígneo não havia aparecido, devido à alquimia entre o efêmero e o Eterno ou, se prefere, entre o corpo e os corpos vitais, e o corpo de Existência.
Não, unicamente, em sua revelação no coração, mas seu desenvolvimento, ativo e real, em seu corpo físico.
Eu o lembro de que a Ascensão acontece no corpo, que ele é o apoio e o suporte dela, porque a codificação vibratória não vem de outros lugares que não de cada uma de suas células.

Questão: quando você está conosco há outras entidades de Luz que a acompanham?

Minha cara irmã, isso é possível.
Minha própria Presença pode ser acompanhada pelo Espírito do Sol e o Coro dos Anjos, como foi exprimido pelos Anciões.
Eu posso, também, ser acompanhada, é claro, por alguns Arcanjos que, em geral, então, posicionam-se nos quatro cantos do espaço no qual eu intervenho.
Isso não é para uma proteção qualquer, é claro, mas para fazê-los beneficiar-se, quer seja na leitura, na escuta ou na presença, de algumas codificações vibratórias de Luz autêntica em vocês, que reflete a qualidade e a função, se posso dizer, do Arcanjo em questão.

Questão: o que significa, quando de um alinhamento ou do adormecimento, que o corpo inteiro ponha-se a vibrar?

Para aqueles de vocês que vivem a vibração, em qualquer Coroa que seja, essa vibração do corpo é, justamente, a substituição do efêmero pela Eternidade ou, se prefere, da consciência do corpo de Existência em relação à consciência comum.
Pode haver vibrações, dormência, formigamento, desaparecimento da percepção de um segmento de seu corpo.
É exatamente o mesmo processo que está no trabalho.

Questão: você poderia esclarecer-nos sobre o papel da alimentação e da Luz, porque nos acontece de não mais comer e ficar gordo, ou de comer muito e ficar magro?

Nos mundos unificados, bem amada, quer isso concirna tanto aos mundos carbonados como aos mundos definitivamente livres desde sempre, o alimento nada tem a ver com o que vocês concebem nessa Terra.
Parece-me, aliás, que, quando dos ensinamentos do Intraterra, foi-lhes especificado que esses povos de terceira dimensão unificada não tinham necessidade de comer.
Nossos irmãos Vegalianos não têm sistema digestivo, ele para nada serve, a nutrição deles é tomada, diretamente, a partir da Luz.
Foi o que eu expliquei em relação ao seu sangue, que se nutre, diretamente, não, unicamente, de oxigênio, mas de Luz.

Assim, portanto, nas diferentes fases que vocês vivem, já, há numerosos anos, existiram numerosas modificações fisiológicas e alimentares.
O Arcanjo Anael já havia explicado, há muito tempo, a diferença entre a alimentação sólida e líquida e, também, nos produtos da natureza, aqueles que cresciam na altura e não sob a terra ou próximo ao solo.

Hoje, vocês descobrem a nutrição da Luz.
Isso se faz independentemente de sua vontade ou de seus desejos, que convém, aliás, respeitar ao nível de seu corpo, no que ele lhes pede.
Seu corpo sabe melhor do que você do que ele tem necessidade, o que dá, aliás, por vezes, sentimentos específicos com alguns alimentos, como seu ventre, por si mesmo, voltasse a fechar-se e impedisse qualquer alimento de descer, enquanto, em outras ocasiões, vocês podem, efetivamente, ser tomados de bulimia, se posso dizer, para alguns alimentos.
Tudo isso faz parte do que se desenrola nesse momento.

O Arcanjo Anael disse, mais recentemente, que vocês não precisavam, necessariamente, comer.
Foram-lhes, também, preconizados, pelo Comandante dos Anciões, jejuns extremamente breves e curtos, que não superam vinte e quatro horas, para, justamente, ver, aí também, o que se desenrola em vocês, fazendo a experiência e vivendo-a.

Apenas nos mundos de predação é que há alimentos e a necessidade de comer porque, a partir do instante em que você come algo, seja lógico, quer seja um cereal, quer seja um vegetal, um animal, é, sempre, uma forma de predação.
Você come para viver, caso contrário, diversos sintomas aparecem.
Existem, é claro, assim como foi explicado pelos povos intraterrestres, banquetes que eu qualificaria de rituais, que comemoram coisas ligadas às linhagens, por exemplo.

É claro, nesta fase de grande reviravolta, quer seja em seu corpo e em seus hábitos, você constata essas mudanças.
Você constata que pode devorar ou, então, nada mais comer.
Lembre-se de que não são seus hábitos ou suas necessidades de alguns tipos de alimentos, mas a Inteligência da Luz que age através de você.
Se você está atento, realmente, à sua alimentação, saberá, instantaneamente, se um alimento é bom ou não para você, segundo o reflexo de abertura ou de fechamento da parte inferior do diafragma que, eu o lembro, está em projeção direta do que é nomeado o oitavo corpo ou Embrião Crístico.
Se você está atento a isso, observará percepções ao nível dessa zona, conforme essa zona feche-se ou abra-se, segundo os alimentos.
O sistema digestivo, tal como você o conhece e que eu conheci em minha vida, mesmo se eu comesse muito pouco, é, de algum modo, uma falsificação.
Na Luz, nada há a digerir, nada há a incorporar e a metabolizar; a própria Luz é metabolismo.

Questão: durante um mês ou dois eu senti a necessidade de comer grandes quantidades de carne, enquanto eu não a comia antes, e isso se acalmou.
É um processo normal?

Minha cara irmã, apenas você é que pode ali responder.
As modificações de hábitos alimentares podem ser, efetivamente, impulsionados pela Luz.
Seu corpo sabe melhor do que você mesma do que ele tem necessidade.
Existem algumas fases da Alquimia atual que, efetivamente, podem necessitar de uma modificação de regime alimentar.
O problema não é a carne, o problema é o sofrimento da carne.

Eu lhe repito, contudo, que, nos mundos unificados não há qualquer necessidade de comer, exceto para alguns povos, unificados, no entanto, mas que mantiveram linhagens que são ligadas, por exemplo, aos felinos.
Mas, de uma maneira geral, o alimento é, o mais frequentemente, um ritual e não uma necessidade.
Em contrapartida, suas necessidades, nesse mundo, são função de sua transformação.
Pode, efetivamente, haver uma necessidade de algo que não estava presente anteriormente; isso é, sempre, transitório, e corresponde a fases específicas.
Falando de alimento, você vai constatar, também, tão surpreendente quanto isso possa parecer-lhe, que você vai estar cada vez mais sensível, não à natureza desse alimento, mas à sua cor e à sua textura.
Tudo isso faz parte de modificações de sua Ressurreição.

Eu a lembro de que, em minha encarnação, eu engolia, o mais frequentemente, apenas três tipos de alimentos sem, jamais, sofrer da mínima carência: o arroz, o leite e o mel.
E, no entanto, você sabe bem, hoje, que o leite é um veneno – jamais o mínimo veneno pôde agir no que eu era.

Alguns de vocês sentem, ainda, que sua consciência é dependente de alimentos, de horários.
Para outros, tudo isso terminou, não há mais obrigação de respeitar horários, tipos de alimentos.
Para outros, em contrapartida, isso é, talvez, mais atualidade.
Aí também, isso se refere, diretamente, à emergência de suas linhagens.

Questão: acontece-me, cada vez mais, de ter náuseas em alguns lugares ou perto de algumas pessoas, o que isso significa?

Bem amada, cara irmã, essas manifestações são, diretamente, ligadas à ressonância das Portas nomeadas Atração e Visão.
Conforme a energia encontrada, conforme as consciências encontradas, se não há sintonia vibratória, a predação será sentida, essencialmente, ao nível da Porta Atração e da Porta Visão, é claro.
E isso conduzirá, muito naturalmente, a náuseas, a estados nauseantes.
É o mesmo com alguns alimentos ou, mesmo, com algumas de suas próprias emoções ou as emoções de seus irmãos e irmãs.

Seu corpo vive, sobretudo, quando ele abriga o corpo de Existência.
Ele se manifesta por si mesmo, independentemente de suas emoções conscientes.
Do mesmo modo, você pode experimentar, também, as mesmas náuseas diante de alguns alimentos que, no entanto, eram-lhe habituais.
Cabe a você escutar.
O que você segue?
Seus hábitos, alimentares ou outros, ou o que pede a Inteligência da Luz, através de seu corpo?

Se não há mais outras questões concernentes à Ressurreição, então, eu me permito saudá-los e permito-me viver, com vocês, um momento, concernente a tudo o que eu acabo de explicar.
Isso não é mais, simplesmente, uma comunhão, nem um coração a coração, mas, sim, a revelação do que eu nomeei o Absoluto nesse mundo.

Eu lhes digo, agora e já, meu Amor e até breve.
Eu lhes direi, quando isso estiver terminado.

… Silêncio…

Eu me retiro agora, em vocês.]

Até logo.



NOTA: Essa canalização é extraída de um conjunto de canalizações
que acompanharão nossa ressurreição nesse mês de maio.




Mensagem de MA ANANDA MOYI
Maio de 2016





Agradecimento especial:
Traduzido para o Português por Célia G.
http://leiturasdaluz.blogspot.com.br



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails