sexta-feira, 22 de abril de 2016

A BENEVOLÊNCIA - IRMÃO K - ABRIL DE 2016

Rendo Graças ao autor desta imagem




IRMÃO K
ABRIL DE 2016




A BENEVOLÊNCIA


Meu nome é Irmão K.

Irmãos e irmãs da carne, e na carne, de momento, dignem-se aceitar a minha saudação e as minhas bênçãos.

… Silêncio…

Eu intervenho, hoje, por minha vez, para completar, ao meu modo, o que foi dito concernente ao masculino sagrado e seus efeitos e suas manifestações.
Há numerosos anos, eu tive a oportunidade de falar-lhes, longamente, da imagem e da visão.
Na sequência, inúmeras Estrelas vieram especificar o que era a visão do coração, a visão interior, os diferentes tipos de visão.
Em seguida, eu lhes falei, longamente, da Autonomia e da Liberdade.
Hoje, eu venho exprimir os resultados esperados da emergência do masculino sagrado em comunhão, de algum modo, com o feminino sagrado, que desemboca na manifestação da Androginia Primordial em seu ser interior e em sua manifestação nesse mundo.

O masculino sagrado e o feminino sagrado, quando estão em harmonia e não mais separados – como foi o caso nesse mundo – abrem-nos, no interior de si mesmos, à possibilidade de deslocar as condições ligadas ao seu sexo aparente, às suas polaridades expressadas, masculinas ou femininas, e desemboca, por sua vez, em uma modificação importante de seu comportamento humano.
Muitos de vocês, é claro, já o viveram sem, necessariamente, ali colocar palavras ou explicações.
A alquimia e a sublimação do masculino e do feminino sagrados traduzem-se, se já não foi feito, por uma palavra precisa, que se chama a Benevolência.

A Benevolência não é, unicamente, o Amor em encarnação ou o Amor emanado de vocês, mas, bem mais, a alquimia da noção de acolhimento, de escuta e de emissão, o que permite fazer cair, de algum modo, as últimas barreiras entre o sentido de ser uma identidade e, em toda relação, de lidar com outra entidade.

A Androginia Primordial situa-se, diretamente, nos processos vividos, há alguns anos, da própria consciência, nomeados comunhão, fusão ou bilocação e dissociação, e dissolução.
A Benevolência do masculino e do feminino sagrados dá-lhes, de fato, a capacidade para ser, igualmente, o amigo, o amante, a amante, a mãe, o filho, o pai, abolindo, assim, inúmeros papéis sociais e inúmeras funções, quer elas sejam ligadas à sexualidade, à reprodução, mas, também, ao seu modo de interagir nesse mundo.

Esse elemento nomeado a Benevolência vai permitir-lhes amplificar e ver, talvez de modo mais aguçado e mais intenso, o que pode restar, em vocês, do que foi nomeada a tríade infernal: carrasco, vítima e salvador, o que os leva, através da Tri-Unidade Arcangélica e da Tri-Unidade sagrada feminina, a recolocar-se nessa Benevolência.
E abandonar o jogo das interações que se situam ao nível das personalidades em presença em toda relação, que não os congela mais, então, em um papel ou em um modo comportamental, mas que os abre, aí também, sempre mais, à espontaneidade, ao fluxo do Amor que se escoa em palavras, em expressões, em emoções como em pensamentos, em toda relação.

O efeito saliente da masculinidade ou da feminilidade parece, se já não foi feito, desvanecer-se em vocês, o que dá, no homem, uma capacidade de acolhimento, uma capacidade de escuta diferente do que é na natureza masculina.
Na natureza feminina não, unicamente, a manifestação da co-criação consciente torna-se evidente, mas há, além disso, uma capacidade comportamental nova de estar na ação e não mais na reação.
A Androginia Primordial instala uma vacuidade e, ao mesmo tempo, uma plenitude, uma decorrente da outra.
Há, portanto, desaparecimento da polarização sexual comportamental que abre, assim, as portas da inocência e da Infância, se já não é o caso.

Na Benevolência há o maravilhamento.
Na Benevolência e na Androginia Primordial há a espontaneidade, há a Evidência e há a facilidade.
Assim, portanto, vocês já constataram, talvez, ou constatarão, muito rapidamente, seu modo de relação, assim como seu modo de interação entre vocês, e todo o resto modifica-se, de modo palpável e visível, o que os coloca em uma forma de neutralidade de polaridade e, portanto, que reunifica, em vocês, as duas partes que haviam sido separadas – esquerda-direita, bem-mal, homem-mulher – o que lhes dá a clareza necessária para agir, para receber, para dar e para viver o que há a viver segundo sua atribuição vibral nesse fim específico dos tempos antigos.

Isso pode traduzir-se, em vocês, por capacidades nomeadas mediúnicas mais importantes, uma capacidade maior para acolher e para ver os povos da natureza, para conversar com eles de diversos modos, o que lhes dá a ver, também, com compaixão, os desvios de toda situação, tanto em vocês como no outro, sem julgamento, mas com amor, o que parece, por vezes, dar-lhes uma discriminação mais aguçada e mais lúcida entre o que é do domínio da Luz eterna e o que não é.

A reintegração de suas polaridades sagradas, assim como a sublimação delas na Androginia Primordial põe fim ao sentimento de separação.
É claro, antes que isso seja completamente atualizado, podem existir, em cada um de vocês, ressurgências passadas dessa vida quanto à expressão de sua natureza intrínseca, masculina ou feminina, mas que são vistas, aí também, com clareza e com benevolência.
É claro, isso desemboca, também, em um sentimento de unidade e de unificação mais vivo, mais forte, mais intenso, abolindo, também, as barreiras não mais, unicamente, sociais, mas ligadas à idade, ao sexo ou aos condicionamentos ou às próprias condições de sua sociabilidade.

Assim, cada um vocês é capaz de ser desafiado, pela Inteligência da Luz, a manifestar o Amor, é claro, e a Benevolência, em toda relação.
Não para não ver, mas, bem ao contrário, para ver com acuidade e com amor o que tem necessidade de ser visto, ainda, tanto em vocês como no outro.
Isso permite, também, naquele momento, à emissão do Amor e da Inteligência do Amor difundir, a partir do centro de seu peito, sobre toda relação, e independentemente de seu intelecto, independentemente de suas ideias, de seus pensamentos e, mesmo, da própria situação.
Isso é, eu diria, uma oitava superior ao que havia sido expressado há alguns meses, concernente a isso.

A compaixão e o perdão, acoplados ao Amor, é um espaço de resolução de toda relação, tanto em vocês como em seu exterior, o que os abre, sempre mais, à Inteligência da Luz, à Inteligência do Amor, à Paz e à Alegria.
O que vem fortificar, de algum modo, a inocência, a espontaneidade, a humildade e a simplicidade.
O que estava, ainda, obscuro pode, por vezes, ser iluminado violentamente, em toda relação, eu repito, com vocês mesmos ou em seu exterior.
O Fogo do Amor, então, naquele momento, transmutará, se posso dizer, por si mesmo, sem esforço e sem intelecto, o que há, ainda, a transmutar, em todo tipo de relação.

O masculino sagrado não vem, unicamente, completar o feminino sagrado, mas vem alquimizá-lo, ele mesmo, para deixar eclodir, de algum modo, não mais, unicamente, a vibração do que foi nomeado o décimo segundo corpo ou a Androginia Primordial, mas, sim, a atualização do Andrógino, mesmo nesse mundo, nesses tempos específicos da Terra.

A ausência de diferenciação comportamental sexual, se posso dizer, em todo caso, ligada ao sexo e não sexual, no sentido de relação sexual, vai traduzir-se por uma capacidade maior para compreender o que vocês nomeiam o sexo oposto, para dele viver os sentimentos, os modos comportamentais e, também, eu diria, os modos de expressão espiritual.
Visto com um olhar crítico, típico da terceira dimensão, poderia ser afirmado enquanto o homem torna-se mulher e a mulher torna-se o homem, mas isso é apenas uma aparência.
A Androginia Primordial vai magnificar, de algum modo, a manifestação de sua unidade em toda relação e em toda apresentação de seu ser, em toda circunstância desse mundo.
Aparecerá, cada vez mais, um sentimento de fluidez, em toda relação – mesmo se ela tenha necessidade de terminar ou de construir-se, isso nada muda.

Como, talvez, você já tenha constatado, torna-se cada vez mais fácil acolher o outro, o que quer que ele diga, de qualquer modo que ele se apresente, o que lhes dá, então, acesso a uma unidade maior e a uma relação que se instala, cada vez mais facilmente, de coração a coração, e ignora convenções e diferenças, quaisquer que sejam, e abre-os, portanto, aí também, à manifestação concreta e tangível dos efeitos do Amor incondicionado em suas vidas.

Eu repito, isso pode passar por uma fase delicada, na qual há como que uma acentuação de algumas anomalias já vividas por vocês nas relações.
É apenas uma iluminação nova que vem, de algum modo, pôr na luz o que não havia sido, ainda, posto na luz, tanto em você como no outro.
Há uma capacidade maior para compreender, eu diria, além das palavras, para ver além do que é dado a ver – sempre, aí também, sem julgamento, sem condenação, mas com compaixão e com carisma.
Compaixão e carisma iluminados pela luz da Androginia, pela Luz Primordial anterior à polarização, quer seja no masculino-feminino, na luz-sombra e nos eventos os mais fúteis e comuns de suas vidas.

A manifestação da Androginia Primordial, além, simplesmente, do corpo e da vibração, vai dar-lhes a ajustar-se cada vez mais finamente, nessa Benevolência.
Mesmo se isso possa passar, em vocês, por sentimentos, por vezes, de raiva, que os faz crer que vocês aceitam o que lhes parecia inaceitável, não é nada disso.
Trata-se, de fato, de uma pacificação de todas as relações levadas, tanto no interior como no exterior de vocês.
Quando isso é visto, em toda relação instala-se a paz, instalam-se, também, a liberdade da relação e a autonomia de cada relação, na qual mais nenhuma predação pode exercer-se, de uma maneira ou de outra.
A relação tornar-se-á, então, equilibrada, o que permite amplificar a Paz e, portanto, a Unidade, vividas, real e concretamente; isso, independentemente de toda manifestação vibratória e independentemente, mesmo, de toda percepção sutil, de qualquer natureza que seja.

A Benevolência, como vocês constatarão, se já não foi feito, nutre seu coração e nutre o Fogo do Coração, o que lhes permite experimentar, ao mesmo tempo, uma leveza e uma liberação do que lhes pesava.
A Benevolência da Androginia Primordial, dessa alquimia entre o masculino sagrado e o feminino sagrado, dá-lhes, também, a manifestar a alegria, de modo cada vez mais claro, quer seja silenciosa ou exuberante, ela será atuante, independentemente de sua vontade, independentemente de seus pensamentos e do que parecia, mesmo, poder resistir em qualquer relação.

Pode-se dizer, em definitivo, que toda relação, qualquer que seja, tornar-se-á Amor, tanto em vocês como em toda pessoa que vocês são levados a ver, de modo excepcional ou quotidiano.
A Benevolência e a Paz decorrerão de toda comunicação.
Retenham, contudo, que o tempo de ajustar-se a essa Benevolência – o que é realizado sem esforço pela Inteligência da Luz e pelos tempos atuais – será, talvez, primeiro, desestabilizador, pelo contraste existente entre vocês e o mundo ambiental que resiste, no curso de algumas relações que devam construir-se ou terminar.
Mas isso se fará em toda liberdade, em toda independência, e o resultado, é claro, será, sempre, uma amplitude de Amor maior e uma amplitude de Paz mais estável.

Para aqueles de vocês que vivem as vibrações, vocês perceberão, claramente, a ativação desse décimo segundo corpo, conjunta ao décimo primeiro corpo, ou seja, ao Verbo Criador.
Vocês se tornarão, então, real e totalmente, o Verbo, ou seja, quaisquer que sejam as palavras, elas não serão portadas, exclusivamente, pelo sentido, compreensível, mas, bem mais, pela potência do Verbo, o que põe fim, progressiva ou brutalmente, a toda forma de incompreensão de vocês ou de qualquer relação exterior.
O que pode, em um primeiro tempo, parecer-lhes chocar, se vocês já o vivem, tornar-se-á, muito rapidamente, fluido e fácil.
É nesse contexto que vocês sairão, de algum modo, do julgamento espontâneo e automático em face de cada situação ou de cada ser, ou em face de si mesmos, o que visa, pela separação, fazê-los colocar, sempre, a questão, mesmo inconscientemente, do bem e do mal, da vantagem e do benefício ou da perda ocasionada por toda relação no interior de si mesmos ou em seu exterior.

Essa Benevolência, portanto, exprimir-se-á através da espontaneidade e da capacidade real para deixar sair de vocês não a palavra correta, mas o Verbo correto, qualquer que seja a palavra empregada.
Vocês observarão, também, em toda relação, tanto no interior de vocês como em seu exterior, que o silêncio tornar-se-á um elemento essencial, bem mais do que as palavras, bem mais do que as expressões corporais, bem mais do que qualquer valor de julgamento.
Será, então, possível, tanto em vocês como em seu exterior, viver, realmente, a Unidade primordial que passa, de algum modo, das regras habituais de comunicação, tanto na linguagem amorosa como na linguagem social, como na linguagem adaptada a uma demanda, a uma informação, a um serviço ou a uma venda.

Vocês constatarão, então, que, nessa Benevolência e nessa espontaneidade – que vocês encontravam em seu exterior – o mesmo sorriso e a mesma paz estará presente, sem procurá-la, sem esforço, e independentemente de qualquer tipo de relação.
Aí está a manifestação tangível da Vida e do Amor incondicionado.
Isso lhes tem sido acessível, para muitos de vocês, através dos mecanismos nomeados «a Graça», mas, hoje, isso é bem mais do que a Graça.
Porque, na Benevolência não há, unicamente, o acolhimento da Graça ou a manifestação da Graça, mas há emissão espontânea de Graça em toda circunstância.
Vocês constatarão, então, que seus gestos, suas palavras, seus olhares não serão mais, verdadeiramente, o que vocês conheciam anteriormente.

O sentido do perdão será inscrito nessa Benevolência do Andrógino.
Vocês viverão, talvez, cada vez mais frequentemente, a capacidade para viver o êxtase sem passar por um alinhamento interior, sem passar por uma experiência mística, sem passar por uma relação sexual bem sucedida, mas, bem mais, pela própria relação.
Eu os lembro, aliás, de que o próprio Arcanjo Anael nomeia-se o Arcanjo da Relação e do Amor.
Essa comunicação nova recorre ao fluxo cardíaco de Amor e de Luz, e à simbiose, se posso dizer, dos quatro Elementos.
Os mecanismos, então, de sincronia e de evidência serão, se já não foi feito, seu quotidiano, em frequência cada vez mais evidente.
Ao ver, assim, essas relações transformarem-se, tanto em vocês como em seu exterior, tornar-se-á, então, mais fácil manter esse modo de comunicação sem ali prestar atenção, porque tudo acontecerá naturalmente.

Eu lhes redigo que o que pode parecer-lhes resistir hoje é, justamente, a ilustração do que está se desenrolando e o que está se iluminando em vocês, não em uma compreensão intelectual, discriminante em bem-mal, mas em uma visão mais integrativa, que supera as condições habituais desse mundo e que faz de vocês, real e concretamente, seres de Amor puro, que não são influenciados por qualquer ferida que seja, por qualquer vantagem ou inconveniente de qualquer relação.
Vocês ultrapassarão isso.

A partir do instante em que o masculino sagrado e o feminino sagrado entram em simbiose, há superação de sua condição, isso eu disse, e há aparecimento, aqui mesmo, de uma nova condição.
Eu seria tentado a nomear isso, em sua terminologia atual, «o olhar do anjo», aquele que é incapaz de emitir um julgamento, de condenar, de discriminar, de rejeitar.
Porque, naquele momento, vocês verão, real e concretamente, se já não foi feito, que tudo o que se produz é regido pela Inteligência da Luz.
Mesmo o que pôde, até agora, parecer-lhes oposto à Luz ou contrário a ela, nada mais é do que sua emergência real no mundo sensível de manifestação no qual vocês estão.
Isso permitirá, também, sem esforço, ver, também, cada vez mais claramente, as interações entre seu ser eterno e a própria Luz.
Vocês não poderão mais distinguir se essa Luz sai ou entra em vocês.
O Coração do Coração será instalado na totalidade de seu ser e não mais, unicamente, em alguns lugares de seu coração que vocês conhecem.

Assim que houver um impulso de ajuda, de serviço, de escuta, não será mais possível considerar que você é o salvador e que o outro é a vítima.
Você escapará, assim, da esterilidade da tríade infernal, e a substituirá, de modo muito natural, pela Tri-Unidade do feminino sagrado e a Tri-Unidade Arcangélica, o que lhe dá a ver com a inteligência pura, que não recorre mais à análise ou a qualquer sentido espiritual.
Isso será evidente e evidência.
Haverá como que uma ruptura ou um curto circuito do mental racional de suas polaridades habituais ou de suas emoções habituais restantes.

Vocês constatarão os benefícios disso, é claro, em toda relação, em toda circunstância, mas, sobretudo, em sua capacidade para deixar trabalhar a Vida em vocês.
Parecer-lhes-á, então, fútil querer decidir, querer escolher, querer controlar o que quer que seja ou quem quer que seja.
Assim é a Inteligência da Androginia Primordial, que superou a dualidade de manifestação – e não, unicamente, vibratória ou energética – presente nesse mundo.
Vocês verão, portanto, claramente, sob a forma de uma fulgurância da intuição, o que tem necessidade de ser visto, em toda circunstância.
Vocês observarão, portanto, a Graça em ação e o estado de Graça, não mais, unicamente, em vocês, não mais, unicamente, nas relações as mais próximas, mas, de maneira muito geral, em cada ocasião.

Isso se traduzirá, também, nesse mundo, por contatos com a natureza visível, mais espontâneos.
Os povos da natureza não sutil, quaisquer que sejam os animais, as plantas, entrarão em contato com vocês sem esforço e sem o querer.
Essa Benevolência e essa comunicação nova que, eu repito, já se atualizaram, para inúmeros de vocês, mas tornar-se-á cada vez mais saliente, de algum modo, permitirá a vocês deixar o Amor emergir, cada vez mais facilmente, para que todas as suas ações, todos os seus olhares, suas emoções ou suas ideias, ou seu pensamento ainda presente, sejam, realmente, magnificados pela Graça do Amor.

Vocês constatarão que, mais frequentemente, sua razão, seu mental terão curto circuitos, mesmos nas coisas habituais da vida que necessitam, até agora, a intervenção de seu mental.
De algum modo, tudo se tornará mais fluido e tudo mais espontâneo, o que contrasta muito mais com a desordem do mundo que se instala.
Vocês não serão, portanto, mais afetados por qualquer desordem que seja, o que não os põe na indiferença ou na distância, mas, sim, na participação ativa da co-criação consciente e da ação consciente da Luz, que lhes dão a viver, de algum modo, novas oitavas da Graça.

É isso que nós desenvolvemos, nós, Melquisedeques, durante essas crônicas da Ascensão, cada um à sua maneira, mas que os abre a essa realidade eterna, aqui mesmo, nesse mundo.
Não haverá mais esforço a fazer para amar, não haverá mais esforço a fazer para suportar relações difíceis com vocês mesmos, em algumas partes ou com qualquer outro.
Porque o outro não será mais visto como o outro, real e concretamente.
É, portanto, de algum modo, um fim da distância e da separação, no qual mesmo os limites corporais habituais ou os limites históricos pessoais e habituais tendem a dissolver-se, e deixam apenas o Amor nu, no qual tudo se realiza com facilidade.

Vocês verão, claramente, também, em si, não em uma compreensão lógica ou memorial, cármica ou ligada à sua infância, mas, bem mais, na imanência do Amor e da Relação.
Vocês constatarão, também, os efeitos na cura, também, de seu corpo.
Vocês identificarão, de modo mais nítido, os laços existentes entre o simbólico do corpo e os engramas memoriais alojados nesse corpo, sem ter necessidade de analisá-los, sem ter necessidade de compreender os prós e os contras, com curto circuito, aí também, no aspecto intelectual, mental e raciocínio.
Isso permitirá, também, em cada um de vocês, uma disponibilidade maior aos sinais e às graças.

Se vocês vão ao sentido do que se produz, tudo se tornará fácil e evidente, qualquer que seja a alegria ou qualquer que seja o sofrimento.
Vocês se tornarão independentes dos resultados, em qualquer domínio que seja, porque terão a intuição fulgurante de ter, realmente, feito o que era para fazer, não por sua vontade ou sua compreensão, mas, diretamente, pela Inteligência da Luz, e vocês o perceberão, cada vez mais nitidamente.

Se vocês aquiescem a esse desenrolar, de maneira cada vez mais lúcida e evidente, então, constatarão, efetivamente, mudanças cada vez maiores que podem – e eu tomo essa imagem específica – viver um êxtase, simplesmente, ao reencontrar o sorriso de uma criança, ao colher uma flor, ao apertar a mão de um superior hierárquico.
Fazer a paz tornar-se-á evidente, cada vez mais, em vocês mesmos, mas, também, com qualquer relação.
Vocês constatarão, aliás, que não poderão mais suportar o mínimo desvio a essa Benevolência, o que pode, nos primeiros tempos, dar-lhes um sentimento de culpa, as partes arcaicas de seu ser que podem, em alguns casos, tentar retomar a dianteira no coração.
Isso não durará, jamais, mesmo se seja intenso.

A supraconsciência não é mais, unicamente, um mecanismo interior.
Ela será, também, visível em cada coisa e em cada relação.
A Unidade entrará, portanto, cada vez mais em manifestação, e vocês se nutrirão dessa Unidade antes de qualquer coisa.
Assim é o Amor.
Assim é a Autonomia e assim é a verdadeira Liberdade, que não depende de qualquer circunstância nem de qualquer condição, como vocês sabem.

Aqueles que percebem as vibrações, em qualquer lugar que seja, começarão a perceber os fluxos de Luz que emanam, espontaneamente, de seu coração, sobre qualquer coisa e sobre cada relação, independentemente, mesmo, de seus pensamentos, o que pode criar, no início, certa distorção.
Por exemplo, sentir uma raiva violenta no interior de si, enquanto o coração continua a emitir o Amor e a Paz e a Benevolência.
Isso os levará, aí também, a mais lucidez sobre os prós e os contras do que foi seu modo de funcionamento, e o que ele se torna.

… Silêncio…

A Unidade aparecer-lhes-á não mais, unicamente, como um sonho ou um estado interior, mas uma realidade tangível, e essa realidade tangível tornar-se-á cada vez mais premente para vocês, progressivamente e à medida que a agitação do mundo declara-se.

… Silêncio…

Decorrerá, também, dessa Androginia Primordial, uma capacidade maior para desaparecer à vontade, para imergir na Morada de Paz Suprema, independente de qualquer condição e de qualquer polaridade, masculina ou feminina.

… Silêncio…

Vocês viverão, real e concretamente que, em toda ocasião, em toda circunstância, em toda relação, o Amor é preliminar a qualquer outra coisa e é independente de vocês.

A Benevolência, enfim, permitirá resolver o que podia parecer-lhes, ainda, intransponível, quer concirna aos domínios interiores ou a algumas relações.
Isso os faz, também – e de modo, talvez, mais raro, de momento – viver, realmente, no outro, o que permite vivê-lo, de algum modo, do interior, o que põe fim, aí também, não à relação, mas revoga, de algum modo, o sentido de ser uma pessoa em face de outra pessoa, qualquer que seja o tipo de relação.

Cristo havia dito: «O que você faz ao menor de vocês, é a mim que você o faz.».
Isso se tornará, para vocês, evidência, e isso já está em curso.
Vocês constatarão, por si mesmos que, se ferem alguém, é a vocês mesmos que ferem e a ninguém mais, destacando um aspecto, talvez, mais agradável, que havia dito nosso Comandante, concernente a essa frase: «É aquele que diz que é.», o que lhes dá a ver que o que se manifesta em sua vida, hoje, em qualquer setor que seja, é apenas o reflexo, em definitivo, de seu ser interior não ainda manifestado em sua plenitude.

Isso permitirá, também, de maneira mais incisiva, pôr fim à distância entre o outro e você, entre o inimigo e você, porque não há qualquer inimigo e, se um inimigo manifesta-se, é que ele está, primeiro, em você – e nada pode provir do exterior, no sentido em que vocês o entendem, comumente.
Vocês terão a oportunidade e, talvez, já o tenham feito, de verificar isso em circunstâncias cada vez mais numerosas, circunstâncias que, a priori, nada teriam a ver com o que vocês nomeiam espiritualidade.
Não haverá mais, aliás, o material e o espiritual, não haverá mais do que uma única vida, apesar da confusão do mundo.

Tudo isso está se desenvolvendo, nesse momento mesmo, e já começou para alguns de vocês, de maneira, talvez, não tão clara como será, o que os faz descobrir, desta vez, não mais o Abandono à Luz, mas o Abandono à Graça, o que lhes demonstra que não há lugar para preocupar-se com o que quer que seja, se não é manter, é claro, corretamente, seu veículo físico, em função de suas necessidades e não mais as necessidades de sua cabeça ou de seus desejos.

Se eu tomo o exemplo do que vocês nomeiam alimentação, vocês não terão mais que colocar-se a questão diante de qualquer alimento que seja, mas seu próprio corpo responderá sobre a natureza dos alimentos, a quantidade de alimentos e sobre o horário de seus alimentos.
Vocês quebrarão, assim, as últimas regras condicionantes de seu próprio corpo, o que o torna, assim, livre de influências e de imposições inscritas na memória da humanidade.
Parece-me, aliás, que o Comandante falou, há muito pouco tempo, do que ele nomeou o jejum seco durante vinte e quatro horas, por exemplo.

O que, até agora, podia fazê-los colocar a questão em face de um evento, da Luz ou não, não os tocará, mesmo, mais, porque se tornará, então, evidente para vocês que a Graça está no trabalho e o que quer que se desenrole, vocês nada podem ali.
Nessa forma de confiança, nesse Abandono à Graça, a Unidade torna-se mais palpável e tangível, cada vez mais manifestada e cada vez mais evidente.
Isso os conduzirá, também, assim como eu disse, a episódios de desaparecimento que não cairão mais abruptamente, como foi o caso há anos, mas que se produzirão não quando vocês o tenham decidido, mas quando o momento for propício e, sempre, nas circunstâncias facilitadoras para vocês.

Assim são as diversas manifestações da Androginia Primordial, aqui mesmo, nesse mundo.
Outras necessidades, até agora fisiológicas ou comportamentais, vão desaparecer sob os seus olhos, seu aspecto físico pode, mesmo, modificar-se, doravante, mas vocês verão claramente, em qualquer modificação que seja, o efeito da Graça e do Abandono à Graça.
Isso é, de algum modo, não mais um preparativo, mas a atualização e a manifestação Daquele que vem, como um ladrão na noite.

… Silêncio…

Sua consciência, então, tornar-se-á livre, não estará mais sujeita aos condicionamentos anteriores, que se acompanham de uma alegria ainda maior e de uma leveza sempre mais presente.

… Silêncio…

É isso que vocês verão, também, no trabalho em alguns países, em alguns movimentos que vão emergir, espontaneamente, no que nós nomeamos o povo.
Há como que uma forma de despertar, uma saída da letargia.
Mesmo se, para esses irmãos e irmãs, haja o sentimento de dever lutar para conquistar alguma coisa, vocês verão isso claramente e aceitarão todas as manifestações da Graça, mesmo se ela passe pela violência ao nível dos povos.
Porque vocês verão, além das aparências, que há uma liberação que se produz, naquele momento, para esses seres.

Tudo isso é destinado, é claro, a facilitar cada dia um pouco mais, para o conjunto do coletivo, o estabelecimento da estase.
Haverá, além disso, um efeito contaminante, é claro, de próximo em próximo, no qual vocês verão irmãos e irmãs reunirem-se com objetivos de mudança, de revolta ou de revolução, de guerra ou de paz.
Mesmo se isso possa parecer estranho, vocês verão a finalidade, e seu único olhar, desprovido de julgamento, alimentará, de algum modo, esses grupos, para permitir a eles transmutar essa nova vitalidade, esse novo despertar em um acesso à Eternidade.

De fato, neste período, vocês constatarão que há cada vez mais irmãos e irmãs que vão mudar, de algum modo, de paradigma, instantaneamente, sem, mesmo, saber porquê.
Porque eles cruzarão, então, o limiar do intolerável da separação e da divisão nesse mundo.
Mesmo se haja violência no que vocês veem, essa violência é apenas transitória e é apenas a manifestação do apelo do Espírito e do apelo de Cristo, quaisquer que sejam as palavras que forem empregadas.

Isso corresponde, também, ao que é nomeada a estação primavera, na qual o que estava escondido na terra sai, enfim, à luz do Sol e manifesta-se.
Vocês experimentarão claramente que há cada vez menos esforço a fazer para manter, de algum modo, sua supraconsciência.
Ela será independente das circunstâncias, das relações como dos eventos do mundo, e ela será cada vez mais estabelecida.
A Androginia Primordial, a Unidade primordial estará, então, em plena manifestação.
Tudo isso lhes parece, mesmo, amplificar-se e acelerar cada dia, tanto em vocês como fora de vocês.

Tudo isso se inscreve no processo do Choque da humanidade e do que lhes foi desenvolvido por Sri Aurobindo há muito tempo.
Vocês estarão, assim, cada vez mais disponíveis para a Vida e não mais, unicamente, para seus pequenos prazeres ou desejos, mesmo espirituais.
Você se tornará o Filho do homem, o Vivente que conclui seu ciclo do confinamento.

Retenham, contudo, que isso pode passar por ressurgências de raiva, de violência, de tristeza, antes que a Alegria germine.
Progressivamente e à medida que vocês se instalarem nesse novo estado, se posso dizer, aqui mesmo, na Terra, constatarão que vocês estão livres, livres de seus pensamentos, livres de suas emoções, livres de tudo.
Para alguns de vocês, pode ser chocante não mais experimentar as emoções passadas ou não mais funcionar do mesmo modo ao nível de sua inteligência.
A Graça toma, verdadeiramente, assume na manifestação de sua vida nesse mundo.

… Silêncio…

As capacidades coletivas de resiliência da humanidade tornar-se-ão tanto mais fortes quanto a agitação aumenta porque, de algum modo, como é conhecido na encarnação, é na adversidade que a ajuda mútua e a compaixão manifestam-se de modo mais fácil.

Vocês constatarão, por toda a parte ao seu redor como por toda a parte no mundo, uma vontade maior de reunir-se, de falar-se, de ter novos sonhos que não têm mais qualquer relação com a predação e a competição, mas, bem mais, com a ajuda mútua e o Amor.
Lembrem-se de que cada um é livre para manifestar esse sopro novo, conforme sua atribuição vibral, mesmo se alguns de vocês não estejam conscientes de qualquer finalidade desses eventos e do que eles traduzem, profundamente, quanto à Ascensão desse mundo.

… Silêncio…

Para muitos de vocês o Amor não será mais uma vã palavra ou algo que é procurado, mas vocês o experimentarão diretamente.

Eu espero, através de minha intervenção, ter podido dar alguns elementos de orientação no que pode restar de sua pessoa, o que os leva, progressivamente ou de maneira fulgurante, a mudar de ponto de vista.
É uma mudança radical, para muitos de vocês, que se delineia, e permite, aí também, ajustar-se ao mais próximo do que vocês são.

… Silêncio…

Eu lhes agradeço e rendo graças por sua escuta, por seu acolhimento.

E eu rendo graças, também, à Inteligência da Luz que nos permite aqui mesmo, como ao ler-me, viver isso.
Certamente, para cada um de vocês, com sua própria intensidade.

Permitam-me aportar-lhes – e esse será meu modo de saudá-los e de dizer-lhes até breve – as bênçãos do Coração do Coração.

… Silêncio…

Eu sou Irmão K e eu os saúdo.



CADERNOS DE ABRIL DE 2016
CRÔNICAS DA ASCENSÃO
Crônicas dos Melquisedeques – O Masculino Sagrado




Mensagem de IRMÃO K
Abril de 2016





Agradecimento especial:
Traduzido para o Português por Célia G.
http://leiturasdaluz.blogspot.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails