domingo, 11 de outubro de 2015

A ÚLTIMA RONDA DOS ARCANJOS (I) - ARCANJO ANAEL - OUTUBRO DE 2015 - COM ÁUDIO


Imagem Amor Por Gaia



ARCANJO ANAEL
OUTUBRO DE 2015




A ÚLTIMA RONDA
DOS ARCANJOS
(I)


Eu sou Anael, Arcanjo.

Bem amados filhos da lei de Um, eu me apresento a vocês, como anjo da Relação e Arcanjo do Amor, para que nossas Presenças, reunidas no coração do Um e na verdade do Único, manifestem-se e exprimam-se em seu Templo e em nossas presenças comuns.

Que a Paz e o Amor sejam a verdade desse instante.

… Silêncio…

Minhas palavras, hoje, serão pouco numerosas, mas, a cada silêncio entre cada palavra e cada frase, será a oportunidade de penetrar no coração do Espírito do Sol e do Coro dos Anjos, o que os abre, definitivamente, à realidade do Amor, à realidade da Presença, à realidade de seu ser.

Eu inauguro, hoje, não o Conclave, tal como existiu há alguns anos, mas nós viremos, um a um, sucessivamente, cada um dos Arcanjos, exprimir-lhes e manifestar-lhes a realidade e a verdade de sua Presença, a realidade e a verdade de seu renascimento, de sua Ressurreição nas esferas da beleza.

Deixemo-nos, então, penetrar e viver a Presença Solar, assim como deixar vivificar-se, em cada um de nós, o Coro dos Anjos.

… Silêncio…

Hoje, onde quer que vocês estejam, na superfície dessa Terra, cada um de vocês enfrenta seu próprio face a face, sua própria verdade, confrontada à verdade absoluta do Amor, o que lhes permite, de algum modo, em um último ajuste, precisar seu lugar e o que vocês são, em verdade, não para demonstrar, não para mostrar, mas para, realmente, manifestar a evidência do que vocês são, despojados dos últimos véus, e cruzam as últimas portas, e despertam, em vocês, as estruturas da Eternidade em seu corpo de Existência, o que lhes dá a viver, de maneira simultânea, o efêmero e o Eterno na mesma realidade de sua Presença.

Nós viremos, portanto, cada um em sua vez, nós, Arcanjos, apor o selo da Verdade e da Liberdade, o que permite acolher, se já não foi feito, a matriz Crística, que abre as portas que podem restar a abrir, tanto em vocês como nesse mundo, o que favorece, de algum modo, seu posicionamento em sua verdade.

Então, que cante, em sua consciência, o canto da Eternidade, o canto do Apelo; então, que cante, em vocês, a evacuação das últimas resistências à verdade inabalável do Amor, o que lhes dá a viver o que há a viver, para cada um de vocês, o que lhes dá a atravessar, com felicidade, se tal é a Graça que se estabelece, o que pode restar de ilusões, em cada um de vocês, o que os abre à Graça de Maria, ao seu manto e à verdade do Filho.

… Silêncio…

O tempo chegou, portanto, de depositar os últimos fardos do peso e da opacidade das ilusões desse mundo aos pés do Senhor e aos pés de Maria, despojando-se, de algum modo, dos últimos elementos supérfluos à manifestação da Verdade e de sua verdade.

No que se desenrola, tanto em cada um de vocês como para o conjunto da humanidade Una, encontram-se os elementos que os levam, de maneira fulgurante ou passo a passo, a descobrir o que ainda não havia podido ser visto, tanto em vocês como ao seu redor.

Assim, essa abordagem foi realizada, para muitos de vocês, por uma faculdade maior à evidência dos seres da natureza, à evidência das dimensões que se intricam nesse mundo.

O que quer que vocês vivam, o que quer que tenham a viver nesses tempos do Apelo, tudo o que se desenrola é apenas a revelação da Verdade, da Beleza e da Eternidade.

Em vocês, o Fogo sagrado do Amor que nasce, em suas Coroas, dá-lhes a descobrir que vocês são o mundo, na totalidade e na realidade, tanto esse mundo aqui como cada mundo, como cada vida, o que põe em relação, em ressonância e em fusão, as diferentes partes que podem estar, ainda, compartimentadas, separadas ou fragmentadas, o que lhes permite estabelecerem-se, a partir do instante em que vocês soltam o sentido e a ideia de ser uma pessoa, na verdade integral de sua eternidade.

Nesses tempos, o Silêncio.

O Silêncio de sua pessoa, o Silêncio do conjunto de seres sutis, de Presenças que evoluem, até agora, em mundos unificados que vêm tocá-los, cada um em sua vez, com sua Graça, que vêm, de algum modo, afirmá-los na verdade do Amor.

Nós sempre dissemos, durante esses anos, que nós estávamos em vocês, o que lhes dá a relação a mais exata entre as diferentes facetas do Amor, do diamante ou do cristal que vocês são, chamas eternas que reencontram sua verdade, chamas eternas que reencontram o Amor, privado de todo sentido de apropriação, de todo sentido de pertencimento, que vem, aí também, transcender os últimos elementos nomeados de linhagens, que lhes dão acesso à pureza de ER, à pureza da verdade da Lemniscata, que os faz descobrir, na integralidade, a joia de sua Presença e a joia da Ausência à ilusão, o que instala, em vocês, a perenidade, a certeza e a vivência, sem qualquer barreira, sem qualquer limite, outro que não aquele que vocês colocam, ainda, à realidade do Amor que constitui seu ser.

Quando Estrelas e Anciões disseram que vocês podiam recorrer a eles, do mesmo modo que, hoje, vocês entram, talvez, mais facilmente, em contato com os povos naturais desse mundo, é-lhes, hoje, oferecido viver a totalidade disso em vocês, em Verdade e em Unidade, andando, assim, sobre os passos Daquele que trabalhou a semear a Terra, há dois mil anos.

Hoje, vocês, Filhos Ardentes do Sol, Filhos Ardentes da Verdade, vivem a liberação dos últimos engramas e dos últimos programas, pessoais ou coletivos, ligados não mais às linhas de predação, mas ao que vocês poderiam nomear «hábitos», o conjunto desses hábitos que se dissolve diante da pureza da Luz, que emana ao centro de seu centro e que vem recobrir seus corpos grosseiros, seus corpos sutis, o que os adorna, então, com as joias da Existência revelada e manifestada, mesmo no que vocês têm a viver na superfície desse mundo.

… Silêncio…

Ao acolher e aceitar sempre mais partículas adamantinas, de Luz da Verdade em seu Templo, revela-se, a vocês, a majestade do que havia sido ocultado.

Ao permanecer disponível, a cada sopro de sua vida, à verdade do instante, revela-se, em vocês, a cada oportunidade, a beleza do instante em seu Templo de Eternidade, nomeado «corpo de Existência», presente, aqui mesmo, tanto em vocês como ao seu redor.

Aí está a única joia, aí está a única verdade, aí, unicamente, situa-se o Amor, despojado de toda relação, de qualquer natureza que seja, em face de vocês mesmos, nesse face a face, nesse coração a coração, entre você e si mesmo, entre suas partes limitadas, que se apagam, e sua parte ilimitada, que desperta como de um profundo sono.

Assim, o Espírito do Sol e o Coro dos Anjos cantam em seus casulos de Luz, o que lhes dá a perceber, o que lhes dá a viver, em graus diversos, a progressão da Luz em sua instalação na superfície desse mundo, assim como na Ascensão da Terra.

A festa dos Arcanjos passou, resta-lhes, agora, atualizar isso, de maneira individual, de maneira fraternal, de maneira coletiva, englobando muito mais do que os humanos, muito mais do que os povos da natureza, muito mais do que a Terra, muito mais do que o Sol, muito mais do que o conjunto do manifestado e do criado, em qualquer dimensão, em qualquer setor, quer seja dos universos como dos multiversos.

Assim se revela o verdadeiro e o autêntico.

Assim se revela seu Face a Face.

Em cada coração estabelece-se a mesma relação entre o coração eterno e o coração afetivo, o que faz surgir, sem esforço e sem dificuldade, o que deve atualizar-se, nesse instante presente.

O que vem consumir o que pode restar de sofrimento, o que pode restar de apegos, o que pode restar de crenças.

O que os conduz ao limiar da Morada de Paz Suprema.

O que os faz descobrir a majestade do Si, não mais, unicamente, vivência na meditação ou por experiência, mas dando-se a ver, ele mesmo, em cada circunstância que se desenrola em sua vida.

Isso os ajusta, ainda mais finamente, à precisão do Amor, à Inteligência da Luz e à evidência do Amor e da Luz.

Assim, o estado de Graça, o Manto Azul de Maria e o conjunto de estruturas vibrais que você, talvez, tenha vivido ou vive ainda, vem confirmar-lhes a saída desse mundo, em sua finalidade e em seu efêmero.

Então nós, Arcanjos, viemos dizer-lhes: regozijem-se, porque os tempos são chegados.

Regozijem-se, o que quer que aconteça na superfície de sua consciência, porque sua consciência encontrar-se-á a termo. E em um termo muito próximo, na felicidade e no contentamento de sua reconexão. De seu reconhecimento, em um espaço e um tempo no qual nem um nem o outro existe mais, no qual, contudo, vive-se, com intensidade e inteireza, a verdade do Amor, a verdade da Luz.


… Silêncio…

O Verbo Criador, ele também, provém do Silêncio da Eternidade, provém do que subjaz a toda manifestação de consciência, em qualquer mundo que seja.

… Silêncio…

Assim, a Luz vem, por vezes, exigir-lhes certas direções, exigir certos movimentos ou certos silêncios, tanto do corpo como das palavras.

Não vejam, ali, qualquer alteração, mas vejam, bem mais, o que vem e o que já está aí.

Não se atrasem no que se vai, não se atrasem, e nada retenham do que é efêmero.

Cada um de vocês vive certo número de experiências, tanto desse mundo como aquelas de outras dimensões.

Tudo isso demanda apenas tomar a inteireza da manifestação de sua consciência nesse mundo, porque é aqui que se encontra o apoio o mais inabalável, que lhes dá a certeza da Liberdade e a certeza absoluta da verdade da consciência, da verdade do Absoluto.


… Silêncio…

Aceite colocar-se, se a Luz coloca você.

Aceite elevar-se, se a Luz eleva você.

Aceite fazer Silêncio, se a Luz trabalha no Silêncio em você.

Nesses tempos tão especiais, nos quais se cumpre o conjunto de profecias enunciadas há tempos imemoriais, revela-se, a vocês, tudo o que pôde ser escondido no agenciamento de sua consciência, como no agenciamento desse mundo.

A hora é para a Verdade nua.

A hora é para a beleza sem qualquer artifício, sem qualquer adorno, sem qualquer ornamento.

O Amor basta-se a ele mesmo, assim, apagar-se-á seu Face a Face, assim, apagar-se-á a confrontação e a conflagração desse mundo.

Há, unicamente, a exata retribuição da Liberdade reencontrada, a exata retribuição do que traduz sua alma ou sua consciência, aqui mesmo, nesse instante presente.

Nós viemos, portanto, nós, Arcanjos, cada um de nós, depositar uma das sete notas de música, acopladas às sete últimas chaves Metatrônicas reveladas há pouco tempo.

Ao escutar, nesse mundo, a sinfonia da Luz, vocês superarão a própria sinfonia, para ir à origem do som, à origem do Verbo, à origem da Criação, o que lhes dá a viver o lembrete e o Juramento da Promessa, aquela da Fonte, aquela da Luz Una e o que subjaz o conjunto de toda consciência, como de toda manifestação, tanto aqui como alhures.

Aliás, não há mais alhures.

Há apenas o Aqui, há apenas o Agora, o HIC e NUNC, o IM e IS, que os coloca onde o Face a Face apaga-se, onde tudo é englobado no mesmo coração e na mesma vibrância do Amor Um.

Então, como disse o Arcanjo Uriel, há numerosos anos: «Ouçam e escutem».

Ouçam e escutem a sinfonia da Luz, ouçam e escutem os cantos de alegria que ecoam, pouco a pouco, no conjunto de seus céus e no conjunto de suas terras.

O tempo chegou de acolher Aquele que vem, o tempo chegou de acolher a Eternidade, em todas as suas prerrogativas e em todas as suas manifestações e em todas as suas origens.


… Silêncio…

Vão até o som.

O som primordial, aquele que está na origem dos quatro Elementos, aquele que está na origem das doze sílabas sagradas, não tanto por curiosidade, mas porque eles mesmos instalam a evidência nesse Face a Face de resolução final da emergência da nova dimensão, da emergência da Verdade, de maneira visível, sensível e permanente nesse mundo.

Isso realiza, portanto, a integração de tudo o que os tem levado a viver como relações, como contatos, tanto em seu plano como com nossos planos.


… Silêncio…

O canto da alegria do Céu e da Terra começa a fazer-se ouvir e estremece em seus ouvidos, o que anuncia e prepara o que resta a deixar trabalhar em seu Templo.

Como Arcanjo da Relação, eu poderia, mesmo, dizer-lhes que, a partir deste instante, a melhor coisa a escutar e a ouvir é o que se desenrola no Silêncio de sua Morada de Paz Suprema, aí, onde nada mais desse mundo pode vir interferir, mas, bem ao contrário, vem amplificar e revelar a chama sagrada da Verdade, do Espírito e da consciência.

Os últimos laços que, por vezes, podiam, ainda, retê-los, de maneira vibral ou de maneira psicológica, na superfície desse mundo, mostram-lhes, por sua vivência, a futilidade desse gênero de abordagem, porque o Amor basta para nutrir toda manifestação, toda vida, em qualquer plano que seja, qualquer que seja o agenciamento dessa dimensão ou o agenciamento de um plano determinado.

Permaneçam, cada vez mais frequentemente, onde tudo é apenas Verdade e onde tudo é apenas beleza, onde nada desse mundo pode alterar o tesouro de sua chama.

É assim que vocês encontrarão os ingredientes, a força, não por uma vontade qualquer, mas, bem mais, pela evidência da Luz, extraírem-se, sem fugir do que quer que seja, da ilusão desse mundo.

Cada vez mais de vocês vão experimentar isso.

Cada vez mais de vocês estarão, de algum modo, no próprio Face a Face, confrontados ao efêmero e confrontados à Eternidade, o que provoca, em vocês, a certeza inabalável do Amor, que não é mais colorido pelas circunstâncias e condições desse mundo, mas, sim, o Amor incondicionado, livre de todo laço, livre de todo sofrimento e livre de toda ilusão.


… Silêncio…

Assim, eu imprimo, em vocês, não, unicamente, o selo de minha Presença e de sua Presença, mas a chave que vem aperfeiçoar o que pode, ainda, ser necessário aperfeiçoar, não por vocês mesmos, mas, verdadeiramente, pela capacidade para desaparecer de toda tensão, de toda dor, de toda certeza inerente a esse mundo, que dura apenas o tempo de uma vida, no máximo.

Eu venho, portanto, impulsionar, de algum modo, a última ronda dos Arcanjos, não mais reunidos em Conclave, mas nós viemos, cada um em sua vez, conceder as últimas chaves Metatrônicas, para reencontrar, através do «doze», a totalidade de seu Coroamento e a totalidade de seu Coração Ascensional.


… Silêncio…

Posicione-se e deposite o que pode, ainda, parecer obstruir o instante de sua Presença.

A cada ocasião, a cada apelo da Luz e, em definitivo, ser-lhe-á solicitado provar-se, a si mesmo, a verdade da Luz ou a verdade da ilusão.

Nenhuma perturbação poderá afetá-lo. Porque tudo está depositado em você, pronto para esse instante, pronto para esses momentos.

Você constatará, assim, rapidamente, progressivamente e à medida dos apelos da Luz para posicionar-se, que tudo o que lhe aparecia obscuro, pesado, doloroso ou contrário à Luz não pesará mais muita coisa em relação ao peso da Verdade, ao peso da densidade da Luz.

Isso se desenrola nesse momento mesmo, abrindo o caminho, como ela mesma havia dito, ao Apelo de Maria e à consumação do fim dos tempos.

Um tempo, dois tempos e a metade de um tempo escoaram.

A Liberação da Terra, que foi efetiva, há alguns anos de seu tempo, torna disponível, inteiramente, hoje, sua própria Liberação.

Sua própria verdade torna-se, portanto, manifestada, manifestável e assinala sua capacidade para estabelecer sua Presença eterna na superfície desse mundo.

Deixe o Fogo devorador do Amor trabalhar em você.

Deixe o Fogo do Coração, deixe a Onda de vida realizar a última alquimia, que permite a Ascensão, real e concreta, de seu corpo, de sua consciência ou de seu Espírito.

Para alguns de vocês, e cada vez mais numerosos entre vocês, perceberão, verdadeiramente, se já não foi feito de maneira total, a inépcia do confinamento em um corpo, a inépcia das leis, quaisquer que sejam, desse mundo.

Vocês apreenderão, enfim, plenamente, se já não foi feito, a frase seguinte: «Vocês estão nesse mundo, mas vocês não são desse mundo.».

Assim, portanto, nos momentos de apelo da Luz, responda pela Luz interior.

Não deixe qualquer elemento, em qualquer relação que seja, como em você, como entre cada um de vocês, vir manchar ou frear a revelação da Luz e a revelação de seu corpo Ascensional.

Não se esqueça, jamais, de posicionar-se, tanto quanto possível, no instante presente, porque é no instante presente que se revelam a infinidade dos tempos, a presunção desse tempo desse mundo e a vaidade do que constitui a pessoa.

Os tempos da Graça, o tempo do Apelo de Maria são momentos de grandes mudanças, sem, mesmo, falar de Ascensão, de grandes perturbações, de grandes transformações, de grandes modificações que sobrevêm em vocês, como em qualquer lugar no qual vocês portem os seus olhos na superfície desse mundo.

Virá um momento, num prazo muito curto, no qual vocês apenas poderão contar com o que vocês são, verdadeiramente, e vocês verão, naquele momento, que as ilusões desse mundo apagar-se-ão por si mesmas, como sua pessoa apagar-se-á, naquele momento, para deixar lugar para a Ressurreição final desse mundo.


… Silêncio…

Além dos sons e além dos silêncios, percepções novas surgem em vocês, inscritas na vibração, como inscritas na consciência, que põem fim ao isolamento de sua própria consciência, mesmo nesse mundo.

Qualquer que seja a intensidade do que percebe sua consciência como Luz ou como vibração, não se esqueçam, jamais, de que essa intensidade conduz vocês ao coração do coração, à Morada de Paz Suprema, na qual tudo se resolve, real e concretamente, pela Graça da Eternidade.

Quer seja ao nível da Coroa radiante da cabeça, quer seja na Coroa radiante do coração, quer seja pelos diferentes componentes da Onda de Vida, quer seja pelo Manto de Maria ou, ainda, pelo Canal Mariano, o conjunto dessas vibrações resolve-se na paz do coração do processo da Ascensão.

Lembre-se, também, de que, como Ancorador e Semeador de Luz, você é, hoje, de algum modo – mas não veja, aí, qualquer papel – aquele que é, de algum modo o embaixador da Verdade, os embaixadores da Luz, mesmo na resolução final desse mundo.

Lembre-se, também, de que o único aporte e o único apoio que você poderá encontrar, naqueles momentos, estará apenas no interior de si, e não mais nas relações exteriores, o que desemboca é claro, no Face a Face, na última relação entre a lagarta e a borboleta.


… Silêncio…

O que quer que se desenrole sob o olhar de sua consciência, o que quer que se desenrole na globalidade desse mundo, lembre-se de que o Silêncio é a resposta para todas as interrogações, para todas as questões, porque o Silêncio é a plenitude do Absoluto.

Ele contém, nele, todos os potenciais da Liberdade, todos os potenciais de toda manifestação da consciência, em qualquer universo ou multiverso que seja.

Permaneça, assim, firme nesse instante presente, permaneça, para sempre, firme na verdade de Cristo.

Hoje está aí não sua missão, mas o próprio sentido de sua presença na superfície desse mundo.

Filhos da Lei de Um, vocês triunfaram as adversidades aparentes presentes, tanto em vocês como na superfície desse mundo, assim, o conjunto de Arcanjos junta-se a mim para não, unicamente, render-lhes graças e exprimir nossa gratidão, mas, bem mais, fundir, em vocês, no coração do Um, aportando-lhes o Silêncio nas últimas chaves Metatrônicas.


… Silêncio…

A cada Silêncio, a cada apelo da Luz e a cada injunção da supraconsciência, vocês deixarão revelar-se a verdade do Silêncio, na qual o tempo e o espaço ilusórios desse mundo não têm mais qualquer influência na verdade de seu ser.

Não há mais lugar no qual esconder o que quer que seja.

Tudo deve aparecer na Luz nua, na clareza e na precisão do Amor.

Lembrem-se, também, de que é na humildade e na simplicidade que vocês farão, nesse momento mesmo, seu céu na Terra, o que acompanha aquela, qualquer que seja sua evolução, em sua Ascensão.


… Silêncio…

Lembre-se, também, de que, na relação com seus irmãos e irmãs próximos ou menos próximos de você, a única ajuda possível será, simplesmente, a manifestação de seu Amor, de seu Amor além de qualquer palavra e além, mesmo, de qualquer olhar ou de qualquer atenção, porque você se reconhecerá, de Presença a Presença, e não mais de pessoa a pessoa, e não mais, mesmo, de pessoa a entidade, quer ela seja da natureza ou quer ela provenha dos Anciões, das Estrelas ou de nós, Arcanjos.

… Silêncio…

No coração do coração ecoa, em seus ouvidos, a sinfonia do Amor, que encadeia, para os mais sensíveis de vocês, os doze sons reunidos em um único.

O som do Apelo de Maria, preliminar à escuta – se isso já não foi feito há alguns anos – de seu nome, mas, também, o Apelo de Maria para entrar em si e na Verdade, para que nunca mais você possa nutrir o que quer que seja na superfície desse mundo, mas, unicamente, semear o Amor.

Não mais para ancorá-lo, mas, bem mais, para fazê-lo eclodir como conclusão da obra realizada nessa encarnação, para a maior parte de vocês há numerosos anos ou numerosas dezenas de anos.

Assim, o tempo não é mais contado nem descontado, o tempo chegou, de maneira formal, de maneira indelével, que não sofre qualquer atraso, de viver o Amor em sua liberdade total, desvinculado de qualquer contingência oriunda desse mundo no qual vocês estão, o que os faz descobrir, se vocês o aceitam, a verdadeira Liberdade, que nada tem a ver com qualquer circunstância desse mundo para ser vivida.

Assim, portanto, inúmeros de vocês, nos dias e nas semanas que vêm, vão descobrir a própria verdade, não mais de maneira fragmentada, mas de maneira inteira, a partir do instante em que vocês sintonizam sua consciência e sua vida na própria Luz, nos contatos que se manifestam a vocês na natureza, como com os Anciões, as Estrelas ou os Arcanjos, o que permite afinar-se e aproximar-se, de maneira sempre mais tangível, do coração do coração, do meio do coração, no qual se encontra a passagem obrigatória e única para a verdade do Amor.

A Luz pede a você para tornar-se disponível, em cada ato colocado nesse mundo, em cada olhar colocado nesse mundo ou em seus irmãos e irmãs, o que lhe permite apreender que você não é desse mundo, que você nasceu do pó e que você retornará ao pó, para descobrir a joia em seu envelope.


… Silêncio…

Por sua Presença ou por sua Ausência, você significa, para a ilusão desse mundo, que você não é mais enganado nos jogos de papel, jogos do bem e do mal, jogos do sofrimento e do prazer, de qualquer jogo que seja privado da Fonte, para fazê-lo descobrir e manifestar a totalidade de sua beleza, mesmo na visão desse mundo e na visão de seus irmãos e irmãs, como do resto do mundo.

… Silêncio…

Eu sou Anael, Arcanjo, e vamos instalar-nos, juntos, nesse instante, na verdade do Silêncio, sem outro objetivo que não o de estar aí.

… Silêncio…

Filhos do Um e amados do Amor, experimentem o Fogo do Amor, o Fogo da Verdade…

… Silêncio…

… e permaneçamos, juntos e Um, nesse Silêncio e nessa plenitude…

… Silêncio…

… disponíveis para Ele, disponíveis para o Espírito do Sol.

… Silêncio…

Posicione-se e deposite, nesse espaço sagrado, o que o obstrui e, juntos, rendamos graças à ação de Graça e ao estado de Graça.

… Silêncio…

E recebam, assim, a bênção das Águas do Alto, as Águas do Mistério, de IM, que mantém o mistério da Criação, o próprio mistério da Vida…

… Silêncio…

… para que vocês mesmos, no momento vindo, possam revelar a potência do «Ehyeh Asher Ehyeh».

… Silêncio…

Você, o amigo e o amado da Fonte, libere-se de todo peso, porque você já é liberado.

… Silêncio…

E não se esqueça, a cada retorno a esse mundo, de ser o sorriso do Amor, em qualquer circunstância, em qualquer relação, em qualquer sofrimento, em qualquer alegria que seja.

… Silêncio…

Eu sou Anael, Arcanjo, e eu deposito, em vocês, uma chuva de bênçãos, para que jamais o sorriso do Amor possa desaparecer de seus lábios.

… Silêncio…


Até breve.







Mensagem de ARCANJO ANAEL,
Outubro de 2015





Agradecimento ao trabalho excepcional ao longo do Processo:
Traduzido para o Português por Célia G.
http://leiturasdaluz.blogspot.com.br
Áudio:
http://mensagensdeamor.brluz.net

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts with Thumbnails